sábado, 20 de julho de 2019

Socialismo na Prática



Se ligo televisor, é de hotel pra descobrir a previsão antes de sair na missão. Desta vez foi em San Diego onde apareceu comercial de banca de advocacia. A cena é o que aparece aí, só que a parte de cima. Escapole o sabonete da mão de um gajo e uma mão peluda cai em cima do seu ombro com CUFF (algema) tatuado nos dedos grossos.  Eis uma versão censurada--não da Califórnia--do mesmo anúncio.


Nem sei qual veio primeiro, a explicação politico-econômica ou o anúncio do advogado com senso de humor. Mas não deixa de ser verdade que quando o papel do governo não é mais a defesa dos direitos individuais da pessoa, é porque já foi seduzido no sentido de usar o poder coercitivo para violar esses direitos; ou seja, governo que virou assaltante, feitor, assassino. Essa corrupção, esse desvio da função dos governos teve início com a formação de partidos políticos para transformar governo em quadrilha predatória. 

Todos os governos de "economia mista" são assaltantes; nem é preciso dar exemplos. Esses governos socialistas se dividem em comunista (vulgo, feitores de "esquerda") e fascistas (vulgo fascínoras da "direita"). A diferença entre essas variantes comuno-fascistas é sobretudo religiosa com matizes de eugenia. Os nacionalsocialistas da Alemanha acreditam que o sentimento ético do altruísmo é hereditário, bastando exterminar as raças egoístas para chegar no paraíso. O fascismo Espanhol e Italiano preservou a influência vaticana mas fez pouco caso da eugenia como culto nacionalista. Quando George Orwell era menino esse nacionalismo metido a religião fazia parte do bê-a-bá. 

Os outros coletivistas dispensam o obscurantismo papal e luterano, matam menos judeus, mas apostam numa lavagem cerebral bastante parecida--programação que escraviza sem tanto ensaboar. Aliás, pouco antes do colapso do comunismo, o jornal russo Pravda descrevia a União Soviética como uma "economia mista". Afinal, você esperava honestidade de quem pega no alheio?
Nixon o republicano: Não sou ladrão

Hoje todo saqueador altruísta evita se identificar com honestidade. Comunista despreza o altruísmo do sermão no monte, Cristão muda de assunto quando se fala de fascismo. Todo republicano jura que a Lei Seca nada teve a ver com o colapso de 1929 e a recessão. Já o democrata reza para acreditar que Thomas Jefferson quis nacionalizar as terras e industrias e cobrar imposto de renda de pessoa física, e que as temperaturas estão aumentando, pois os termômetros mentem. Lá longe, sua fatia do voto aumentando em 109% anuais, o Partido Libertário observa esse circo de ignorância e crueldade. 

Saiba como a Lei Seca, que 1,4% do voto colocou na Constituição, derrubou a economia americana e ajudou o partido nazista ao poder na Alemanha. Leia A Lei Seca e O Crash em formato Kindle do Amazon. O aplicativo não custa nada e até com celular você já um jeito...
Recontado em português pelo


terça-feira, 16 de julho de 2019

Windows auto-detona


Olhe o que acontece se vc aceita a oferta de a MS te ajudar... "Instale o upgrade de segurança", disseram, e quando fui fazer, apareceu uma lista de trocentas injeções altruisticamente preocupadas com o meu bem-estar. Em vez de só instalar do defender, adicionei mais um punhado e mandei ver. Resultou essa armação de iconografia mística me convidando a apertar desses botões. 

Nem sei o que é isso, mas que deu uma trabalheira pra tirar, deu. Não conseguia nem entrar em Safe Mode, pois o veneno carregava antes mesmo de o OS. Sei que é veneno pois o install log grita FATAL, FATAL! Se eu de novo escolher de uma lista dessas vai ser apenas o item que interessa, nunca dois. 

Não surpreende que o pessoal do Linux (née Freax) agora estabelece guarida para os refugiados do Windows, assim como a Califórnia abriga os refugiados do fascismo-das-bananas. Alias, o Windows de 1990, que nos liberou de editar arquivos Autoexec.bat e Config.sys para digitar com caracteres acentuados, foi um avanço benéfico. Por outro lado, o governo Americano de 1776 e 1791 também foi uma melhoria importante, com carta de direitos e tudo. Mas repare como os dois partidos da gerontocracia esclerótica o deixaram!

Lembre-se disso quando uma corporação enorme e apadrinhada, um governo de político bandido ou mesmo um deus grego manifestar preocupação pela sua condição e oferecer te ajudar. Em todas as estórias dos deuses gregos, quem se ferrava eram os mortais que interagiam com eles. Essa sim, era religião nada mística e sim de utilidade para ensinar os jovens a não dar confiança às coisas que não morrem, logo, que não possuem critério para uma orientação ética


Querendo saber como o altruísmo que injetou a lei seca federal na Constituição americana derrubou a economia num abismo de recessão, leia A Lei Seca e O Crash em formato Kindle do Amazon. Até com celular você dá um jeito...
Blog do tradutoramericano...

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Cartéis monopolistas nos EUA

Remy comemora a independência dos sem-liberdade

Antigamente quem queria trabalhar nos EUA registrava empresa por menos de vinte dólares. Com isso o banco aceitava o seu depósito de U$300 na conta corrente comercial e no mesmo dia a gráfica dava andamento na sua encomenda de talonário e cartões de visita. Bastava ter permanência ou cidadania, não fraudar ninguém--e fazer as declarações de sempre para a Receita pra trabalhar por conta própria. 

Hoje importam cada vez mais os salamaleques, rapapés, molhadas de mão, comissa, propina e vista grossa por encomenda tão populares na Europa pré- e pós comunista. A associação americana de tradutores quer proibir a nossa atividade, apenas abrindo exceções para o Movimento dos Sem Auto-estima que se submetem a rastejar--sobretudo para trabalhar como intérpretes nos tribunais. 

Nessas armações há sempre o "grandfathering", que admite os lobistas velhacos sem nenhuma triagem, e barra a entrada dos mais jovens mediante labirintos burocráticos e cobranças. Uma vez que aos velhos resta diminuída capacidade de aprender, o resultado é uma classe antes produtiva se reduzir à incapacidade de competir e dependência no apadrinhamento predatório.

No Brasil falam em abolir a lei monárquica do tradutor juramentado, sobretudo um ato anti-nepotismo do tempo do Fico. Esse exige concurso por prova e dificilmente se acha um tradutor juramentado incompetente. Mesmo assim,  muitos se prostram perante as agências em vez de trabalhar por conta própria. O maior perigo é a tabela tipo cartel. Quando de repente a moeda passa a valer menos do que palha de milho, os tradutores juramentados ainda são obrigados pelas repartições a aceitar essa quirera como se nunca existiu padrão ouro ou Lei Áurea. 

E há também a concorrência dos robôs exemplificada no romance teatral de Karel Capek. Repare que a IBM tenta fazer robotradutores tipo R.U.R para concorrer com o Google e conosco. Como se não bastassem as gravações de telemarketing para infernizar a vida...

Por falar em desastres provocados pelos burocratas bedelhos, A Lei Seca e O Crash explica como a proibição de bebidas lúdicas provocou o colapso e a Grande Depressão. Está no Amazon a preço de uma cerveja artesanal em formato Kindle que funcional no celular. Aliás, o ano-cenário da formulação dos andróides de Capek foi 1932, quando o presidente Hoover, que cobrava a lei seca enrijecida, perdeu a eleição. Nas falas do roteiro de 1923 referente ao direito de os robôs de Capek tomarem uma geladinha: 
Helena: Eles devem ser—tratados como seres humanos.
Hallemeier: Aha! Suponho então que poderão votar. Tomar cerveja. Mandar na gente? 
Helena. Mas por que eles não poderiam tomar cerveja? 

O leitor por acaso achava que Westworld fosse novidade?
Meu blog americano...

                        



segunda-feira, 8 de julho de 2019

Resposta ao socialismo bolivariano


O Partido Libertário americano me passou esse link a um vídeo, que roda apesar de eu não ser usuário do Face ou Tuíte. Na condição de libertário, não defendo o "capitalismo", nome dado pelos marxistas ao mercantilismo monárquico e escravagista do século dezoito. Mesmo assim o recado do Kyle Varner é relevante e assinala o interesse libertário pelo livramento de todos os povos das americas. 

Só que não é o partido libertário que determina diretamente a política externa. Nossa influência depende de votos que derrotam os candidatos mais comuno-fascistas, exatamento como os votos destas correntes na época da Grande Guerra derrubavam candidatos liberais e entrincheiravam. 

Muita da miséria que ocorre no nosso hemisfério resulta da exportação de leis nocivas pelos políticos dos EUA. Os "democratas" querem que você seja assaltado por homens com metralhadoras para proibir a energia elétrica e cobrar impostos de toda espécie. Os "republicanos" permitem a geração de energia elétrica monopolizada, mas querem meganhas com metralhadoras revistando sua casa por causa de folhas de plantas. 

São todos antiliberais, pois defendem impostos semelhantes aos dos comunistas, socialistas, fascistas e "democratas". Repare nos casos da Venezuela, Equador e Bolívia frente aos órgãos americanos de sopa de letrinhas. Tente advinhar a função, ou mesmo expandir a sigla destes cobradores da Política da Boa Vizinhança: 

FATF, TF, CFT, DNFBP, IRS-CID, INL, ICRG, GIABA, GAFISUD, FSRB, FIU, FinCEN ou EAG. 

Matou alguma? Pois são todas entidades endinheiradas que, reunidas em grupos, possuem poderes para confisco de contas bancárias, fazendas, aviões, pessoas (inclusive rapto/apresamento/assassinato de deputados federais ou presidentes de países da América Latina) e afins. Corriam soltos no reinado de George Holy War Bush enquanto a hiperinflação zerava a economia brasileira. 

São essas as agências que garantem as ditaduras da Venezuela e Bolívia. Como assim? Basta perceberem a situação do Equador e da Colômbia como países ocupados para boa parte da população preferir o comunismo ao cristianofascismo. Afinal, onde na América Latina um Partido Libertário é permitido funcionar em concorrência com essas duas alternativas socialistas? Nas eleições aparecem apenas socialistas e fascistas, por mais que assumam máscaras, disfarces e maquiagem. 

Os libertários trabalham para reduzir a influência nociva e os maus exemplos dados aos nossos vizinhos pelos atuais partidos da gerontocracia cleptocrata que nos domina. Fazemos isso tirando votos dos cleptocratas mais nocivos.  Ajude-nos com o seu voto, ou uma pequena contribuição. Explique para os seus parentes e amigos que cada voto libertário obriga os partidos caducos a abolirem as suas leis agressivas--como as que procuram proibir com força letal a energia elétrica, o controle da natalidade ou as folhas de plantas. 

Entenda por que os confiscos praticados por fanáticos infiltradores entrincheirados no governo americano destroem as economias até fora das fronteiras dos EUA. Visite também libertariantranslator.com

Traduções migratórias, inglês, português e espanhol...






Não perca o meu livro A Lei Seca e o Crash no formato Amazon Kindle, e leia no seu celular como essas leis destruíram a economia. 

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Novilíngua da migra

...o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser impedido.

A proliferação instigada pela gerontocracia americana de ditaduras medievais, retrógradas, supersticiosas e nazifascistas por toda a América Latina teve o mesmo efeito provocado pela prática quase idêntica por parte do Terceiro Reich nacionalsocialista e da União Soviética internacional-socialista. 

A diferença é que lá as fronteiras movediças engolfavam os países vizinhos e colônias conquistadas. Mas o resultado--enxames de fugitivos daqueles paradisíacas repúblicas populares trabalhistas--tem sido o mesmo.

Na Rússia um judeu liberal zerou um apparatchik coercitivo daquela monarquia e o pogrom cristão que resultou provocou a fuga de judeus há mais de um século. Os EUA recebiam com avidez esses refugiados em Nova Iorque e Galveston, no Texas. Novas ondas emigrantes resultaram das variantes comuno-fascistas das ditaduras socialistas, e novamente os americanos acolhiam a nata educada, dispensando a plebe ignara.

Hoje a religião socialista só acha adeptos em grandes números na Europa, África, Ásia, e aqueles marcham por terra como gafanhotos ou formigas cortadeiras rumo à fronteira dos EUA. Os coletivistas do altruísmo farejam sustento justamente no país cuja constituição de menos de 5 mil palavras (contando inclusive as assinaturas), até hoje se espraia em menos de 8 mil palavras, mesmo com as 27 emendas. As primeiras dez emendas proíbem o governo de interferir com a imprensa ou com o porte de armas, arrombar portas sem mandado, confiscar papéis, torturar confissões, transformar seu lar em casa-da-sogra de soldados, confiscar bens sem pagamento a preço justo, etc.

Essas garantias constitucionais vêm sendo erodidas pelas enchentes de miseráveis socialistas que se depositam nas praias. Feito nadador que, mesmo afogando, se recusa a largar da bigorna, esses retirantes do altruísmo continuam agarrados como piolho às superstições e crendices que o Velho Mundo ainda chama de filosofia, deontologia, política, direito[!]

No resto das Américas (tirando o Canadá) grossos arremedos de Mein Kampf e Das Kapital fazem as vezes de Carta Magna, copiando as monarquias, os portes místicos, impérios assassinos, juntas militares, satrapias e cabalas do Velho Mundo. Empossam caudilhos devotos da eucaristia da agressão para atender o altruísmo sacrificial predominante. Ninguém lê essas constituições. Contam os zeros a mais no papel-moeda para acompanhar a sua evolução inflacionária e votam com os pés a favor do livre comércio, egoísmo e partidos libertários ausentes das campanhas subsidiadas e obrigatórias.

Resultou novo vocabulário na língua americana para lidar com esses enxames de refugiados das Repúblicas Populares. Vocábulos para estrangeiros não fiscalizados ou irregulares, tais como illegal alien se reformulam em illegal invader, border infiltrator, undocumented immigrant e afins, sendo que os neologismos escolhidos identificam as tribos políticas (em todo caso 96% fascistas e socialistas) que os utilizam.

Altruísmo, como base da auto-decepção--a raiz de todos os males--é o que conseguimos minimizar nos EUA. O resto do mundo odeia lucro, dinheiro, ganância, e tem o desplante de manifestar surpresa ao se ver imerso em prejuízo, pobreza, parasitismo, coação e agressão.

Os partidos políticos antigos e parasitários percebem e se aproveitam dessa decepção. Oferecem coagir ou assaltar a quem o seu pastor manda odiar, e presentear com bens alheios aqueles que te inspiram dó, ou aqueles motivados por simples cobiça parasitária e que odeiam cidadão armado, imprensa livre, substâncias lúdicas ou felicidade em qualquer que seja a sua manifestação. Aprenda como tudo isso afeta a economia de um país lendo A Lei Seca e o Crash, disponível na Amazon em formato Kindle que funciona até no celular.

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Brasileiros pedindo asilo



Hoje a notícia do dia vem da mídia careta e entrincheirada dentro do próprio Brasil. Na Folha de Sampa dizem que o número de brasileiros a pedir asilo aumentou, mas que comparado com as repúblicas populares controladas pelas Juntas militares, alas obscurantistas e saqueadoras que dominam o continente, menor número retirantes econômicos travestidos de refugiados políticos foge do Brasil para tentar galgar o muro trumpista. Esse número caiu em 80% comparado com 2005, quando o governo Bush exportava leis violentas para toda a América do Sul.

Ponha-se no lugar do juiz de imigração dos EUA. Qualquer deslize em processo pode resultar em "remand", onde alçada superior devolve a sentença para o juiz reformar, corrigido, e coloca marcas negras punitivas na sua ficha. É absolutamente possível (embora pouco provável) um juiz ser preso por pronunciar sentenças "erradas". Esse é o lada da medalha que assina os cheques dos salários dos egrégios juízes
Existe um ditado nos EUA: 


"Quem paga o flautista dá o tom."

O outro lado tipicamente é um(a) retirante de poucas letras que dançou na mão dos meganhas e agora vai experimentar de tudo para não perder a viagem. Cada juiz já viu milhares de manés esmolambados jurando de cara limpa, pés juntos e mãe mortinha que os cabos "Juca" e "Pedro" da PM o espancaram, assaltaram, e cobraram propina sob ameaça de morte, sem BO, fotos, recorte do jornal ou laudo médico--que dirá testemunhas oculares. Na outra versão é o ex-marido policial violento, bêbado e ciumento que espanca e estupra a coitadinha que, pra se salvar, atravessou o Rio Grande, a nado ou com as calças pescando siri. 

O juiz é obrigado a perguntar se não daria para se mudar da sua vila nas margens to Iapoque  para uma cidadezinha mais pacata nas margens do Chuí, tchê. A resposta, mais decorada e surrada do que qualquer oração, é que a malha dos tiras corruptos, assassinos e analfabetos é perfeita na sua capacidade de instantaneamente massacrar, no outro extremo do Brasil, o peão que atrasou com a propina, ou a moça que fugiu das garras de um deles. 

A grande surpresa é que os gringos da fronteira americana--com muros, raios laser, detectores eletrônicos e infra-vermelhos, rádios, satélites, lunetas, drones, malhas de computadores, vigilantes ex-expedicionários trabalhando de graça nos finais-se-semana, jipes e caveirões entupidos de meganhas letrados com sindicato de classe, lobistas e advogados de plantão--conseguem pular da moita e agarrar um trouxa despreparado. Nenhum juiz da migra acredita naquelas lorotas mal-contadas, e conta com o ceticismo da procuradoria para apontar os erros e desencontros na narração e mandar o coitado embora--ou condená-lo a pena de reclusão se já foi deportado antes e voltou de penetra.

Bem estranho é que em mais de duas décadas lidando com essas estórias, só me recordo de uma ou duas pessoas terem entrado pelo estado vizinho de New Mexico. Mas recordo com bastante clareza de vários casos de covas improvisadas repletas de cadáveres e esqueletos a pouca distância daquela fronteira e da com o Texas e ainda perto da Califórnia.  Os proibicionismos obscurantista e socialista dos dois lados da fronteira provocam essa miséria. Mas os residentes locais estão aprendendo. 

New Mexico lidera os estados americanos em proporção de eleitores abandonando a cleptocracia e votando pelo partido Libertário. Cada voto alavancado desses é eficaz contra a formação de cartéis, ditaduras violentas, impostos, corrupção e superstição coercitiva, e a favor dos direitos individuais e da liberdade da pessoa humana. Pouco importa se o nosso candidato não ganha o cargo. O que importa é que a nossa concorrência obriga os partidos cleptocratas a revogar suas leis mais nocivas, de forma que os nossos eleitores sempre ganham

Quer saber mais sobre como essa mania de lei seca, imposto, multa e proibicionismo derruba a economia? Leia A Lei Seca e O Crash, no celular, com aplicativo Kindle da Amazon.