Mostrando postagens com marcador escolha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador escolha. Mostrar todas as postagens

sábado, 9 de janeiro de 2021

Lysander Spooner, fascículo 5

Inconstitucionalissimamente coercitivo

 Conclusão do argumento de Spooner que a votação nos EUA (ainda voluntária, só que com voto cada vez mais secreto após a Guerra da Secessão) nada prova sobre a aceitação da constituição pelo eleitor. A 14ª Emenda já era familiar mas a 15ª – garantindo o voto, inclusive aos ex-escravos – ainda era novidade. Segue o 1º parágrafo da 14ª, a segunda das três Emendas da era da Reconstrução: 

  1. Todas as pessoas nascidas ou naturalizadas nos Estados Unidos, e sujeitas a sua jurisdição, são cidadãs dos Estados Unidos e do Estado onde tiver residência. Nenhum Estado poderá fazer ou executar leis restringindo os privilégios ou as imunidades dos cidadãos dos Estados Unidos; nem poderá privar qualquer pessoa de sua vida, liberdade, ou bens sem processo legal, ou negar a qualquer pessoa sob sua jurisdição a igual proteção das leis. (…)

–Voltando ao Spooner, advogado antiescravagista, conclusão da Parte II, votação.

Pelo leque de motivos aqui exposto, a votação não oferece evidência jurídica alguma sobre quais os indivíduos (existindo algum), que apoiam livremente a Constituição. A votação portanto não apresenta evidência legal de que haja quem a apoie voluntariamente.

No que diz respeito à votação, a Constituição, na perspectiva jurídica, não conta com o apoio de ninguém.

A bem da verdade, não há a mínima probabilidade de que exista, em todo o país, um único partidário legítimo da Constituição. Vale dizer, não há a mínima probabilidade de que exista um ser humano no país que entende o que realmente representa essa Constituição e que a apoie com sinceridade pelo que realmente é.

Os ostensivos partidários da Constituição, como os supostos partidários da maioria dos governos, se decompõem em três categorias, viz.: 1. Tratantes, classe numerosa e ativa essa, que percebe no governo instrumento para seu próprio enaltecimento ou para se enriquecer. 2. Otários – grande categoria, sem dúvida – cada um desses, por ser permitido uma voz em milhões na decisão sobre o que pode fazer com sua própria pessoa e propriedade, e por ser permitido a mesma voz no assalto, apresamento e assassinato de outras pessoas que estas têm em assaltar, escravizar e prendê-lo, é parvo o suficiente para imaginar que seja “um homem livre”, “soberano” nos direitos; que seja este um “país livre”; um “governo dos direitos iguais”, “o melhor governo que existe” e outros disparates. 3. Uma classe dos que têm alguma apreciação das maldades dos governos, porém não sabem como se ver livre, ou optam por não sacrificar seus interesses particulares de modo a se dar, de maneira engajada e séria, ao trabalho de fazer as mudanças.

(Fim da parte II, continua na Parte III)

Obs: Essa 14ª Emenda é a que protege as moças contra a coação ou escravização no sentido de forçá-las a obrar em parto indesejado. O Congresso se valeu do truque de empacotar dois itens diversos como fez ao lavrar a 1ª Emenda. Lá embaixo na 14ª, lavrada para cobrar a ferro e fogo do inimigo derrotado na Guerra contra as Sobretaxas Protecionistas, aparece: 

4. A validade da dívida pública dos Estados Unidos, autorizada pela lei, incluindo as dívidas contraídas para o pagamento de pensões e de recompensas por serviços prestados na repressão de insurreição ou rebelião, não pode ser questionada. 

Quem matou ou serviu de espião para ajudar na cobrança de sobretaxas alfandegárias protecionistas, será recompensado do erário, e ai de quem tentar resistir. A primeira parte defende os direitos da classe de indivíduos nascidos (ou em solo ou de mãe americana) e de estrangeiros naturalizados, e a segunda assegura a arrecadação de mais impostos para custear a guerra travada justamente para impedir a fuga das colônias latifundiárias de economia escravagista. Quem tentar tirar essa emenda terá que vencer a oposição de hoste contrária interessada. Quem quer tirar a 1ª Emenda da Carta de Direitos para impôr censura terá que vencer a oposição dos que querem poder abolir/preservar determinada religião. Esses Catch-22 resultam da embalagem. 

Spooner nunca compara a Constituição americana a nenhuma outra, o que na vida real é a alternativa relevante a se considerar. De todas que conheço, essa dos EUA é a mais curta e simples. Compare para ver...

Saiba mais sobre as crises econômicas dos EUA--leia para entender o que causou o Crash de 1929: 


Compre este livro na Amazon

Na Amazon:  A Lei Seca e o Crash. Todo brasileiro entende rapidinho o mecanismo desta crise financeira de 1929. Com isso dá para entender as de 1893, 1907, 1971, 1987-92, 2008 e os Flash Crashes de 2010 e 2015.

Para melhorar o seu inglês, nada como a minha polêmica tradução de Monteiro Lobato: America's Black President 2228. Na Amazon (link)

Blog americano... www.libertariantranslator.com




quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Lysander Spooner, fascículo 4

Veja as aventuras do Spooner nas tiras da revista Reason (link)

 O fato de se exercer o voto, muitos afirmam, é prova da aceitação dos impostos e imposições afins.  Spooner questionou essa presunção. (Continuação…)

Portanto a votação do indivíduo sob o regime da Constituição dos Estados Unidos não se deve tomar por evidência de que este já aceitou a Constituição por livre vontade, mesmo que provisoriamente. E consequentemente não dispomos de prova alguma de que grande fatia dos atuais eleitores dos Estados Unidos realmente aceitam, por arbítrio, a Constituição mesmo que provisoriamente. E nem haveremos de ter a tal prova até que todo homem esteja em plena liberdade para consentir ou não sem expor a si e a sua propriedade a injúria ou importunação.

Posto que não há como obtermos conhecimento jurídico de quem opta por votar e quem o faz por imposição, não há como obtermos conhecimento jurídico a respeito de pessoa alguma, de que teria votado por livre e espontânea vontade; ou, consequentemente, tampouco que, pelo voto, deu consentimento a ou se comprometeu a apoiar o governo. Na forma da lei, portanto, o ato de votar é totalmente deficiente na questão de comprometer pessoa alguma a prestar apoio ao governo. Não prova de jeito nenhum que o governo tenha alicerce no apoio de quem quer que seja. Com base nos princípios gerais do direito e da razão, não se pode afirmar que existam partidários voluntários do governo, a não ser que se possa demonstrar com clareza exatamente quais os que o apoiam por livre e espontânea vontade.

  1. Uma vez que a tributação é lançada compulsoriamente sobre todos, quer votem, quer não, grande proporção dos que votam decerto o fazem para impedir que seu dinheiro seja utilizado para prejudicá-los; pois, se absteriam alegremente da votação se assim pudessem se ver livres apenas da tributação, sem falar em se livrarem de todas as demais usurpações e tiranias do governo. Tomar a propriedade do indivíduo sem o seu consentimento, para depois presumir seu consentimento ‑‑por ter ele esperneado, mediante a votação, para impedir que seus bens fossem utilizados de forma lesiva aos seus interesses‑‑, é uma prova muito deficiente de consentimento em apoiar a Constituição. Na verdade não constitui prova alguma. E já que não temos conhecimento jurídico quanto às identidades das pessoas, se é que existem algumas, dispostas a serem taxadas pelo sufrágio, não temos como descobrir que este ou aquele indivíduo consente em ser cobrado por causa do sufrágio; ou, por conseguinte, que consente em apoiar a Constituição.
  2. Em quase todas as eleições, lançam-se votos para vários candidatos ao mesmo posto. Aos que votaram pelos candidatos que perderam não se pode atribuir que votaram pela Constituição. Seria mais válido supor que votassem, não para apoiar a Constituição, mas exatamente para se opor à tirania que esperam que o candidato vencedor há de praticar sobre eles sob a bandeira da mesma, podendo-se supor, com muita razão, terem eles votado contra a própria Constituição. Esta suposição seria a mais razoável justamente porque a tal votação é a única via que lhes é permitida para manifestar sua oposição à Constituição.
  3. São dados muitos votos a candidatos que não têm perspectiva alguma de se saírem bem. Dos que lançam esses votos, é válido supor que votaram conforme fizeram não em apoio, mas sim para obstruir a execução da Constituição; e portanto, contra a mesma.
  4. Posto que todos os votos são dados em segredo, (por voto secreto), não há como descobrir, apenas pelos votos, quem vota a favor e quem vota contra a Constituição. A votação, portanto, não proporciona evidência jurídica alguma de que essa ou aquela pessoa apoie à Constituição. E quando não pode existir evidência jurídica alguma de que determinado indivíduo apoia a Constituição, não se pode dizer, na forma da lei, que há quem a apoie. É evidentemente impossível que se tenha prova legal das intenções de grande número de homens enquanto não há prova legítima das intenções de nenhuma pessoa específica dentre eles.
  5. Inexistindo prova legítima das intenções com as quais a pessoa vota, resta-nos apenas fazer suposições a respeito. Como conjetura, seria provável que grande proporção dos que votam a faz pelo seguinte princípio, viz., que se, pelo voto, pudessem eles colher em suas mãos (ou nas de seus amigos) as rédeas do poder, e utilizá-lo contra os seus adversários, ficariam então dispostos a apoiar a Constituição; mas se coubesse aos seus adversários deter o poder e utilizá-lo contra eles, então não teriam disposição alguma a apoiar a Constituição.

Resumindo, o apoio voluntário dos indivíduos à Constituição sem dúvida depende, na maioria dos casos, na questão de poderem eles, através da Constituição, se tornarem feitores ou virarem escravos.

Consentimento tão contingente assim seria, no direito e na razão, consentimento nenhum.

  1. Uma vez que cada um que, pelo voto, apoia a Constituição (existindo algum) o faz em segredo (pelo voto secreto) e de maneira a se esquivar de toda responsabilidade pelos atos praticados por seus agentes ou representantes, não se pode dizer, no direito ou na razão que há pessoa sequer que apoie a Constituição ao votar. De ninguém se pode dizer, com juízo ou de forma legal, que consente ou presta apoio à Constituição, a menos que o faça abertamente, de forma a se responsabilizar pessoalmente pelas ações de seus agentes, desde que estes, ao agirem, respeitem os limites do poder que por aquele é-lhes atribuído.
  2. Uma vez que toda a votação é secreta (pelo voto secreto), é lógico que todo governo secreto não passa de um bando secreto de assaltantes, tiranos e assassinos, cujo intento é de roubar, escravizar e, conforme necessário para seus fins, assassinar o resto do povo. O simples fato da existência de tal bando não conduz de forma alguma à conclusão de que “o povo dos Estados Unidos,” ou qualquer um dentre eles, apoie a Constituição por vontade própria.
    (continua…)­⁦     
        

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Direitos individuais na Irlanda

Revogar as leis erradas, lastreadas na superstição, na crueldade ou no preconceito

O vídeo da campanha das mulheres irlandesas querendo ser donas do próprio corpo não aparece no Youtube. É necessário visitar o site de jornalismo menos medroso da própria sombra para assistir. Na Inglaterra, as moças já eram reconhecidas como portadoras de direitos individuais. Aliás, era pra lá que as irlandesas iam para exercer o direito de controle de natalidade que seu próprio governo, até maio, negava a mão armada.
Não deixa de ser guerra, combate às mulheres
A mídia gringa não fala nesse episódio da democracia que experimentou e não gostou da coação à mando do vaticano ou dos televangelistas da câmera obscura. Mas falam, sim, da controvérsia do Brexit, que foi semelhante: experimentaram, não gostaram, e se valeram do voto incoacto, informado e democrático para reverter o quadro. (Lá só vota quem quer votar.) 

A diferença é que a vitória do direito individual tem a ver com a pessoa singular e individual que, nos EUA, aparece nas primeiras três palavras da 14ª Emenda. O Brexit foi reajuste de pacto coletivo vis-a-vis outra coletividade política, e até na corrente saqueadora há controvérsias. Nunca vi nada que se referisse a essa eleição irlandesa na mídia brasileira. Já do Brexit, não cansam de tagarelar.

E falando em controvérsias, esse mesmo jornal irlandês mostra uma reportagem sobre voluntários fazendo uma cadeia humana para livrar um indocumentado das garras da migra. Por enquanto, até no Brasil vc pode assistir. 

Controversa também é a mania de o partido Republicano fingir que o Crash de 1929, e os outros de 1987, 1992, 2008 e até os flash crashes de 6 de maio de 2010 e 18 de março de 2015, nada têm a ver com a repressão. Descubra como esses fanáticos fingem ser defensores da economia quando de fato são tão perigosamente irresponsáveis quanto os parasitas da outra metade da gerontocracia. Saiba a verdade lendo A Lei Seca e O Crash em formato Kindle do Amazon. Até com celular você dá um jeito. 

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Resposta ao socialismo bolivariano


O Partido Libertário americano me passou esse link a um vídeo, que roda apesar de eu não ser usuário do Face ou Tuíte. Na condição de libertário, não defendo o "capitalismo", nome dado pelos marxistas ao mercantilismo monárquico e escravagista do século dezoito. Mesmo assim o recado do Kyle Varner é relevante e assinala o interesse libertário pelo livramento de todos os povos das americas. 

Só que não é o partido libertário que determina diretamente a política externa. Nossa influência depende de votos que derrotam os candidatos mais comuno-fascistas, exatamento como os votos destas correntes na época da Grande Guerra derrubavam candidatos liberais e entrincheiravam. 

Muita da miséria que ocorre no nosso hemisfério resulta da exportação de leis nocivas pelos políticos dos EUA. Os "democratas" querem que você seja assaltado por homens com metralhadoras para proibir a energia elétrica e cobrar impostos de toda espécie. Os "republicanos" permitem a geração de energia elétrica monopolizada, mas querem meganhas com metralhadoras revistando sua casa por causa de folhas de plantas. 

São todos antiliberais, pois defendem impostos semelhantes aos dos comunistas, socialistas, fascistas e "democratas". Repare nos casos da Venezuela, Equador e Bolívia frente aos órgãos americanos de sopa de letrinhas. Tente advinhar a função, ou mesmo expandir a sigla destes cobradores da Política da Boa Vizinhança: 

FATF, TF, CFT, DNFBP, IRS-CID, INL, ICRG, GIABA, GAFISUD, FSRB, FIU, FinCEN ou EAG. 

Matou alguma? Pois são todas entidades endinheiradas que, reunidas em grupos, possuem poderes para confisco de contas bancárias, fazendas, aviões, pessoas (inclusive rapto/apresamento/assassinato de deputados federais ou presidentes de países da América Latina) e afins. Corriam soltos no reinado de George Holy War Bush enquanto a hiperinflação zerava a economia brasileira. 

São essas as agências que garantem as ditaduras da Venezuela e Bolívia. Como assim? Basta perceberem a situação do Equador e da Colômbia como países ocupados para boa parte da população preferir o comunismo ao cristianofascismo. Afinal, onde na América Latina um Partido Libertário é permitido funcionar em concorrência com essas duas alternativas socialistas? Nas eleições aparecem apenas socialistas e fascistas, por mais que assumam máscaras, disfarces e maquiagem. 

Os libertários trabalham para reduzir a influência nociva e os maus exemplos dados aos nossos vizinhos pelos atuais partidos da gerontocracia cleptocrata que nos domina. Fazemos isso tirando votos dos cleptocratas mais nocivos.  Ajude-nos com o seu voto, ou uma pequena contribuição. Explique para os seus parentes e amigos que cada voto libertário obriga os partidos caducos a abolirem as suas leis agressivas--como as que procuram proibir com força letal a energia elétrica, o controle da natalidade ou as folhas de plantas. 

Entenda por que os confiscos praticados por fanáticos infiltradores entrincheirados no governo americano destroem as economias até fora das fronteiras dos EUA. Visite também libertariantranslator.com

Traduções migratórias, inglês, português e espanhol...






Não perca o meu livro A Lei Seca e o Crash no formato Amazon Kindle, e leia no seu celular como essas leis destruíram a economia. 

sexta-feira, 1 de março de 2019

Coletivismo e amebas

George Orwell: Os escritores ingleses que consideram o fascismo e o comunismo A MESMA COISA também declaram ambos monstrosidades malignas a serem combatidas até a morte.  Por outro lado, o inglês que achar que o comunismo e o fascismo são opostos se sentirá obrigado a defender um ou o outro. 

Orwell: English writers who consider Communism and Fascism to be THE SAME THING invariably hold that both are monstrous evils which must be fought to the death: on the other hand, any Englishman who believes Communism and Fascism to be opposites will feel that he ought to side with one or the other. [Note 1 at end of paragraph, Bernard Shaw favored both]

O cartunista do Dilbert, Scott Adams, não entende teoria política mas percebe o mesmo que Orwell. Adams compara Antifa (comunistas) e nazistas americanos e explica por que são quase exatamente a mesma coisa. Do ponto de vista libertário, todos os saqueadores são iguais por preferirem a agressão para pegar no alheio.

Esses coletivismos lastreados no altruísmo como justificativa para depredação coercitiva a mão armada são quase iguais, como as duas metades de uma ameba que se dividiu. Mas evoluíram duas diferenças nos 72 anos que separam o Manifesto de Marx e os 25 Pontos de Adolf Hitler, boa parte dessas diferenças se devem aos americanos Jack London, William Jennings Bryan, Edward Bellamy e William Dean Howells. Veja a capa do livro "Igualdade" de Edward Bellamy. Bellamy modifica o marxismo adicionando elementos de misticismo cristão, como fizeram Bryan e Howells. O resultado foi o nazifascismo alemão e os fascismos espanhol e italiano. Afinal, qual foi a última vez que você viu este livro mencionado?


Socialismo = Nacionalsocialismo

Os nacionalsocialistas acham que o altruísmo é hereditário, e que realmente existiu um Jesus milagreiro que apregoava o altruísmo, o sacrifício e a retirada das estirpes egoístas.  

Os socialistas internacionais acreditam que o altruísmo pode ser inculcado nas pessoas como qualquer outra religião. Duvidam de mitos do Cristo milagreiro, mitos que só teriam sido escritos um século depois, e que ninguém sabe datar ou apontar. Documentos gregos e romanos séculos mais antigos realmente existem nos museus e alguns deles defendem coletivismos sem profeta. 

Os comunistas alemães publicaram um manifesto de 10 mandamentos em 1948 e o nacionalsocialista publicou um programa tribalista de 25 pontos em 1920. Os dois documentos são parecidos e ambos exigem a intromissão de homens armados em todos os aspectos da produção e do comércio

Quem defende esses sistemas formadores de hecatombes usa máscara de eufemismo. Os comunas falam falam mal da "direita" e os fascistas apontam o Diabo na "esquerda". Cada um quer que você seja guiado pelo medo e pelo ódio do outro. Quase tudo o que os comunistas dizem sobre os fascistas é verdade. Por outro lado, Quase tudo o que os fascistas dizem acerca dos comunistas também é verdade. O que confunde são os apelidos plásticos que inventam (esquerda, direita, conservador, progressista, corrente cepalina, "capitalista", "liberal", etc) para disfarçar. Repare que ambas as correntes do altruísmo saqueador evitam falar do Partido Libertário.




Existe alternativa?  


A bioética anti-agressiva formulada por Ayn Rand em 1947 destila o trabalho de dezenas de professores de filosofia em universidades americanas desde a época dos julgamentos em Nuremberg até a publicação de Atlas Shrugged (editado como Quem é John Galt em 1987) e "analisada" com incompreensão bovina no JB). 



Constituinte e Ayn Rand no JB, 1987

O romançe e o esquema ético resumem-se em "não lançarei mão da agressão." Hoje o LP.org o partido de mais rápido crescimento dos EUA e que muda as leis nos 21 países mais livres do mundo--e noutros 10 que dão valor à própria vida.





Visite Libertariantranslator
Quer entender as causas da Grande Depressão americana? Leia A Lei Seca e O Crash em formato Kindle da Amazon. Até com celular vc dá um jeito.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Síndrome de Socialista Chateado


A constituição de 1988 foi formulada para impossibilitar o Partido Libertário logo após a tradução (1987) de Atlas Shrugged de Ayn Rand como "Quem É John Galt?" Existiriam quatro possibilidades: 

1. A favor dos direitos individuais e da liberdade econômica;
2. A favor dos direitos individuais mas não da liberdade econômica;
3. Contra os direitos individuais mas a favor da liberdade econômica;
4. Contra os direitos individuais e contra a liberdade econômica.

Dessas 4 possibilidades, a primeira opção, libertarismo, não é mais opção

Uma das outras alternativas foi escolhida por eleitores forçados a comparecer às urnas. Cedo ou tarde descobriremos se a alternativa que restou foi uma "economia mista" (2 ou 3) ou totalitarismo (4). Aliás, a Rússia soviética descrevia o seu regime nas páginas de Pravda como uma "economia mista"




Sobre a inauguração, o presidente eleito em país onde o voto é optativo e partido libertário concorre nas urnas como oposição, escreveu: 
"HAPPY NEW YEAR TO EVERYONE, INCLUDING THE HATERS AND THE FAKE NEWS MEDIA! 2019 WILL BE A FANTASTIC YEAR FOR THOSE NOT SUFFERING FROM TRUMP DERANGEMENT SYNDROME."
Olha como a Globo traduziu a declaração daquele Presidente:

"Será um ano fantástico para aqueles que não sofrem da síndrome de desequilíbrio de Trump [termo usado por apoiadores do republicano para designar críticos do governo]".

Eu sou da oposição, sempre voto contra os dois partidos da atual Cleptocracia, mas reconheço de longe o Síndrome de Socialista Chateado. É graças também a esses saqueadores altruístas que os eleitores não possuem nenhuma opção que não o comunismo light, nacionalsocialismo light, ou totalitarismo integral que une a economia mista coercitiva num só caldeirão de canibalismo. 

Isso ocorreu em 1917 e repetiu-se alhures em 1933, vingando até maio de 1945. Sem falar no Terror da França ou as guerras religiosas da Idade das Trevas, a mesma ideologia operou na Cambódia de 1975 a 78, na Guyana em 1978 e nas torres gêmeas. Quem não entende que o altruísmo requer esse tipo de iniciação de agressão, colabora no sentido de repetir as façanhas. 

Em outras notícias, os nacionalsocialistas gringos estão muito irritados por causa da coleção online de fotos e detalhes dos meganhas que agarram e deportam estrangeiros multados por infrações de estacionamento e afins.  

Se recado dado ficou singelo e claro, imagine a singeleza das traduções que podemos produzir para a sua utilidade prática.
Meu outro blog é tradutorlibertário.
Minha provedora canadense de nomes para sites é a Hover 

Para entender a Grande Depressão dos EUA--basta ler. 

Compre este livro na Amazon

Na Amazon:  A Lei Seca e o Crash. Todo brasileiro entende rapidinho o mecanismo desta crise financeira de 1929. Com isso dá para entender as de 1893, 1907, 1987, 2008 e os Flash Crashes de 2010 e 2015.


Blog americano... Libertariantranslator dotcom




sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Recuperação dos direitos individuais



Em 1872, alguns estados da derrotada confederação não tiveram os seus votos eleitorais contados. Os vitoriosos federalistas da União impuseram com avidez as suas sobretaxas alfandegárias protecionistas (as mesmas que provocaram a guerra da Secessão) e aproveitaram a vantagem para usar o monopólio dos correios como veículo para leis puritânicas, nacionalistas e sim, raciais. 

As leis de Comstock foram aprovadas em 1872-3, quando o governo do General Grant impunha uma ditadura de ocupação no sul e alguns estados não podiam ainda votar contra a sua eleição. Estas leis usavam o monopólio dos correios para censurar as informações sobre e proibir qualquer forma de controle de natalidade. Uma mãe que escrevesse uma carta aconselhando a filha sobe gravidez indesejada podia ganhar uma pena de reclusão e trabalho forçado de 10 anos--sem falar na multa equivalente a 6 quilos de ouro maciço. 

Estas leis ainda vigoravam em 1932, quando a polícia americana baleava as pessoas por porte de cerveja. A escritora Ayn Rand há anos preconizava plenos direitos individuais para homens e mulheres, mas os sulistas que odiavam o JFK preferiam manter as leis de Comstock que já instituiram na jurisprudência dos EUA a queima de livros antes mesmo de Hitler ter nascido. Com a publicação de A Revolta de Atlas, o repto estava lançado nos EUA e no Canadá. Uma série de decisões judiciais mudou o quadro. Aqui está o resumo de uma delas. 



Supremo Tribunal
Griswold v. Connecticut
381 U.S. 479
Griswold v. Connecticut (No.496)
Argumentado: 29 a 30 de março de 1965
Decidida: 7 de Junho de 1965
151 Conn.544, 200 A.2d 479, reformada.
Syllabus
Recorrentes, o Director Executivo da liga Planned Parenthood, de Connecticut e seu diretor médico, um médico licenciado, foram condenados como acessórios por dar a pessoas casadas informações e aconselhamento médico sobre como prevenir a concepção e, após exame, prescrever um dispositivo ou material anticoncepcional para uso pela esposa. Um estatuto de Connecticut torna crime para qualquer pessoa usar medicamento ou artigo para impedir a concepção. Recorrentes alegaram que o estatuto de acessório, conforme aplicado, fere a décima quarta emenda. Um tribunal de segunda instância e o Tribunal da Justiça do estado, mantiveram a sentença.
Concluído:
1. Recorrentes têm legitimidade para fazer valer os direitos constitucionais das pessoas casadas. Tileston v.Ullman,-318 U.S.44, distingue-se. P.481.
2. O estatuto de Connecticut, proibindo o uso de contraceptivos viola o direito de privacidade conjugal que está dentro da penumbra de garantias específicas da Carta de Direitos. Pp.481-486.
Opinião
DOUGLAS, J., parecer do Tribunal
 O Exmº SR. DOUGLAS entregou o parecer do Supremo.
O apelante Griswold é diretor executivo da Planned Parenthood League of Connecticut. Buxton, apelante, é médico licenciado e professor da faculdade de medicina de Yale, e serviu como diretor médico para a liga em seu centro em New Haven -- centro este aberto e funcionando de 1º de novembro a 10 de novembro de 1961, quando os recorrentes foram presos.
Eles deram informações, instruções e conselhos médicos para pessoas casadas quanto aos meios de impedir a concepção. Examinaram a esposa e prescreveram o melhor dispositivo anticoncepcional ou material para seu uso. Honorários eram geralmente cobrados, embora alguns casais fossem atendidos gratuitamente.
Os estatutos cuja constitucionalidade é questionada no presente recurso são as seções 53 a 32 e 54 a 196 dos estatutos gerais de Connecticut (rev. 1958.). Aquele prevê:
Que quem utilizar medicamento, instrumento ou artigo medicinal com a finalidade de prevenir a concepção será multada em não menos que cinquenta dólares ou presa não menos de sessenta dias nem mais de um ano ou será multada e presa.
A seção 54-196 prevê:
Quem ajudar ou for conivente, ou aconselhar, provocar, contratar ou ordenar outro no sentido de cometer qualquer ofensa pode ser acionado e punido como se ele mesmo fosse o autor principal.
Os recorrentes foram julgados culpados como acessórios e multados em U$100 cada um, reclamando que o estatuto de acessório, como então aplicado, incorreu na décima quarta emenda. A Divisão de Recursos do Tribunal Regional manteve. O Tribunal de 3ª instância manteve a sentença. 151 Conn.544, 200 A.2d 479. Observou-se provável jurisdição. ***


Com essa brecha, o Supremo derrubou o fruto da superstição e a luta pela futura recuperação dos direitos da pessoa humana enquanto ente individual teve sua retomada--pelo menos nos EUA, Canadá e Reino Unido

Aquele livro, A Revolta de Atlas, foi lançado em português em 1987, 15 após a derrubada das leis de Comstock pelo programa do Partido Libertário dos EUA. No ano seguinte, nos escombros da ditadura desmoronada, publicou-se uma constituição de voto coagido, partidos subsidiados e burocracia de juízes para excluir todo e qualquer partido anti-coercitivo

Precisando de tradutor jurídico com experiência como intérprete nos tribunais, procure a Speakwrite
Blog em inglês: Libertariantranslator


Para entender a Grande Depressão dos EUA--basta ler. 

Compre este livro na Amazon

Na Amazon:  A Lei Seca e o Crash. Todo brasileiro entende rapidinho o mecanismo desta crise financeira de 1929. Com isso dá para entender as de 1893, 1907, 1987, 2008 e os Flash Crashes de 2010 e 2015.


Blog americano... Libertariantranslator dotcom



sábado, 10 de novembro de 2018

Tradução com viés

Retraduzi o programa nacionalsocialista depois de observar que circulavam "traduções" incompletas e distorcidas. Essas retratavam com simpatia artificial a mensagem do socialismo coletivista e obscurantista que conquistou os corações e a lealdade de todos os países da Europa. 

Existe sim esse tipo de tradução. Veja um exemplo: 



Isso foi traduzido assim


I refuse any kind of support coming from supremacist groups. I suggest that, for consistency, they support my adversary the candidate of the left party, who loves to segregate the society! This is an offense with Brazilian, the most beautiful and mixed race people in the world. 

Na Alemanha os nazistas se safavam da desnazificação imposta pelo Governo da Ocupação dos EUA pelo simples ato de se declararem membros do partido comunista que controlava o leste do país e da cidade de Berlim. Deu nos jornais--e até nos anos 90 saltava aos olhos--que a Alemanha "Democrática" do socialismo soviético continuava sendo aquele mesmo país nazifascista de sempre. Este artigo explica como o internacional-socialismo acolheu e deu guarida aos políticos, meganhas e burocratas do nacionalsocialismo. 


Veja no original...
Este artigo é datado um mês após a carta em que Ayn Rand formulou o termo da não-agressão que o partido libertário exige como condição de adesão. O termo rejeita a agressão que os partidos não-libertários preferem usar contra os eleitores. Os 32 partidos que chupam a teta dos impostos para financiar seus anúncios usam o judiciário para prevenir a atuação do partido libertário. O resultado é o que você vê--voto coagido e a falsa alternativa entre nacionalsocialismo e uma versão mais soviética da mesma coação. Ou isso ou votar em branco em sinal de dissabor inerme. Falsa alternativa não é escolha.

Na Alemanha de hoje circulam duas traduções alternativas de "A Revolta de Atlas". Der Streik compete com Atlas Wirft die Welt Ab. Seria interessante saber qual das duas versões reproduz com maior clareza as ideias da autora. 

Na minha terra o partido libertário permite uma versão do voto "em branco" que de plena consciência transmite exatamente o tipo de programa que eu reconheço como legítimo. Todo político fascista ou comunista que perde um cargo por margem inferior ao do nosso voto sente na carne o poder dessa liberdade da escolha de "esses não". Estou falando do voto pelo partido libertário, o partido laissez-faire.

Acredito nos democratas quando juram que os republicanos são nazifascistas. Também dou a razão aos republicanos que garantem que os democratas são os inocentes úteis do comunismo internacional. Sorridente eu me lembro dessas gritas sempre que chego na zona eleitoral para votar no programa do Partido Libertário e mudar as leis e os políticos que eu detesto. 

Blog texano

Para entender a Grande Depressão dos EUA--basta ler. 

Compre este livro na Amazon

Na Amazon:  A Lei Seca e o Crash. Todo brasileiro entende rapidinho o mecanismo desta crise financeira de 1929. Com isso dá para entender as de 1893, 1907, 1987, 2008 e os Flash Crashes de 2010 e 2015.


Blog americano... Libertariantranslator dotcom