domingo, 16 de junho de 2019

KAGA caps

A flâmula já diz KEEP, e atrai votos com muro privatizado 
Na Flórida, saindo do aeroporto um carro deu guinada para a direita fechando os motoristas em duas pistas. Motivo? Avistou uma barraquinha vendendo MAGA caps--aqueles bonés vermelhos da torcida do Trump com o dístico: Make America Great Again. Isso foi em março. Agora os bonezinhos são KAG0 caps. 


Keep America Great 2020, KAG0 cap
Vale perguntar se veremos algum similar nacional, uma vez que os dois presidentes são correligionários da chamada "direita". Que tal esse candidato?

BENT 30 euros, da Breden
Para as chuvaradas de Curitiba eu comprava uma dessas na versão brasileira se pudesse. Afinal, o meu partido é bloqueado e não sou eleitor. Gostei desse boné na condição de isentão que não quer ser atropelado nos cruzamentos. Mas vai que na próxima eleição não aparece uma campanha dessas?

Por falar em eleições, lembra dos profetas que em 2016 apostaram até com dinheiro que o partido anti-energia iria derrotar os fanáticos do Trump? Quem ganhou foi o Partido Libertário, cuja fatia do voto se multiplicou em mais de 328%. George Orwell reparou nesse mesmo fenômeno em 1944. 


Esse tipo de coisa (metade dos eleitores** nem se mexerem para votar em partidos saqueadores) é sintomático do golfo intelectual entre os que mandam e os que obedecem na política. Mas esse mesmo golfo sempre existe entre a inteligentsia e o cidadão comum. Os jornalistas, como se observa nas suas previsões das eleições, nunca sabem o que o público está pensando. (As I Please, 140)

** Num país livre, cidadão tem direito a porte de arma e não pode ser forçado a votar.






Precisando de traduções para driblar o muro da migra ou estudar no Canadá, procure pela Speakwrite. Precisando da explicação da Lei Seca que provocou o  Crash e a crise econômica dos anos 20 e 30, procure o meu livro na Amazon Kindle. 



quinta-feira, 13 de junho de 2019

Fascismo nos EUA

Herbert Clark Hoover e Nacionalsocialista Adolf Hitler
Existem blogs brasileiros que "explicam" a crise de 1929 com as mais descaradas mentiras que se pode imaginar. Uma delas é que o Presidente Americano Herbert Hoover, empossado em 4 de março de 1929, teria sido alguma espécie de liberal. A lorota é repetida, papagaiada, recitada e arrotada. Em questões econômicas e societárias, Hoover presidiu a mais perfeita a e sanguinolenta ditadura que o país já vira desde a Guerra da Secessão. Como Hitler e Mussolini, Hoover rejeitou explicitamente toda e qualquer recomendação laissez-faire. Veja nas próprias palavras dele.

Na conferência da Junta Comercial em dezembro de 1929, Hoover lamentou os modos "arbitrários do capitalismo selvagem" que prevalecia na época do laissez-faire da belle epoque da década de 1890. Literalmente usou a expressão dog-eat-dog que em 1957 reapareceria no romance Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas) da autora imigrante Ayn Rand. Ayn se casou nos EUA em 1929 e assistiu de camarote o colapso financeiro. 

Logo após a morte do ex-presidente Howard Taft, Hoover voltou a condenar o pensamento libertário e liberal. Numa reunião de escoteiros em março de 1930, Hoover -- nenhum correligionário do individualismo liberal do Taft -- aproveitou uma oportunidade para comentar a um grupo de escoteiros que "A idéia de que a República foi fundada pelo benefício do indivíduo é uma zombaria que deve ser erradicada no crepúsculo da compreensão." (As duas declarações constam dos papéis oficiais do Presidente)


5 de dezembro de 1929
Mas por que a morte do Taft provocaria essa reação antiliberal? Antes de se tornar Presidente, William Howard Taft fora cobrador da receita federal em Cincinnati de 1883 a 1883. Quando o fanatismo arremedava a ciência e a bondade, empurrando a lei seca, Taft advertiu contra essa loucura coercitiva: 


Na eventualidade de um chefe partidário da receita federal adquirir poderes de usar detetives e a polícia federal para penetrar em cada vila e cada circunscrição e bairro de uma grande cidade, e se valer da alavanca da execução ora frouxa, outrora rígida da lei contra pretendentes ao comércio em bebidas alcoólicas e seus fregueses, empunhará um poder sinistro, a perspectiva da qual devia deixar ansiosos os amigos de um governo livre e constitucional --William Howard Taft

A consciência do Hoover não parava de ecoar as palavras do grande jurista, sobretudo a referência aos amigos de um governo livre



Quer saber mais? Procure A Lei Seca e o Crash por J. Henry Phillips na Amazon.



quarta-feira, 12 de junho de 2019

O mecanismo da Grande Depressão

Nos bastidores, europeus eram acionistas também...

A lei seca federal começou junho de 1919 como medida de guerra. Acresceram a constitucional em 16 de janeiro de 1920 em meio a crashes nas bolsas seguidas de depressão de 1920-21 (logo em seguida). 

O Supremo reformou a sentença exonerando Manly Sullivan (que descontou do IR propina paga aos agentes federais, e pela proteção dada pela 5ª Emenda não declarou lucro com bebida). A bolsa alemã crasheou no mesmo dia e nunca recuperou até depois da posse dos nacionalsocialistas. 

Ocorreu outra liquidação nas bolsas logo em seguida de Terry Druggan (cupincha do Capone) ser indiciado pelo fisco em 14 de março de 1928. 

À velha Lei de Volstead foi juntada a "Increased Penalties Act" mascateada pelo fanático Senador Wesley Livsey Jones desde 19 de fevereiro de 1929, aprovada em março e assinada pelo Coolidge logo antes da posse do Dry Hope Hoover no dia 4. Dali a 2 semanas (logo em seguida) MARKET CRASH aparecia em garrafais nos jornais e Time Magazine com Al Capone sendo questionado sobre o IR. 

Depois de a procuradora Willebrandt puxar a cortina no mecanismo de execução em série nos jornais de fins de agosto, a bolsa começou a cair. Só se recuperou muito depois da posse de FDR, pois a lei seca não foi a única causa. Foi simplesmente a mais importante. Há inclusive spoiler nessa história que tem a ver com as ondas de crises bancárias de 1930, 1931, 1932 e 1933 que não quero escancarar. Pois a lei seca foi financiada, comprada por gente peixe grande que depois se viam ameaçados de confiscos e penas de reclusão.  Veja supra o que acontecia na Itália e na Liga das Nações em reportagem de 1 de setembro de 1929. Você sabia disso? Você sabia que a maior fábrica de glucose do mundo fica pertinho de onde moravam os irmãos Capone em Cicero?


Se até as pedras vissem relação entre os dois mil fatos eu jamais investiria 23 anos na preparação do livro. Aposto no meu cavalo contra quaisquer outras explicações do Crash da bolsa e da Grande Depressão, pois acredito que já li todas elas e nenhuma convence. Meus professores de finança na faculdade confessaram que para eles a coisa permanecia um mistério. É como disse o George C. Scott em Dr Strangelove--"truth is not always a pleasant thing."

Veja a história completa, inclusive das crises de 1893-4, 1907, 1914, 1920, 1929, 1933 em A Lei Seca e o Crash.
Visite o meu blog americano...

quinta-feira, 6 de junho de 2019

A Lei Seca e o CRASH

Compre este livro na Amazon

Finalmente disponível: a tradução de Prohibition and the Crash. Está à venda na Amazon por cinco dólares sob título de A Lei Seca e o Crash. O original, Prohibition and the Crash, registrei faz 21 anos. Depois de tanto mexer, traduzir e gravar, resolvi colocar a tradução no mercado do Kindle como uma espécie de boi de piranha. Afinal, todo brasileiro entende rapidinho o mecanismo desta crise financeira. 

Você já ouviu uma explicação convincente desse fenômeno? Os que encontrei são circulares: "a economia ruiu por causa de especulação excessiva na bolsa." Excessiva como? Excessiva por ter provocado o Crash, ora pois! As outras versões dizem que faltou socialismo e bedelho com regulamentos. Nenhuma convence, até por que o crash--que resulta da fuga de dinheiro dos bancos--é consequência e não causa do problema. O problema, sem exceções, é alguma outra coisa que os traders percebem de seis meses a dois anos antes de a crise econômica espraiar em estrago generalizado.  

No caso de 1929, véspera da Grande Depressão, os motivos têm tudo a ver com leis, emendas constitucionais, impostos, confiscos, multas, penas de reclusão, assassinatos e morte. Começaram com a aplicação da lei seca. Pioraram com a utilização do novo IR para cobrar cumprimento da lei seca--isso em 1927--e culminaram com a lei Five and Ten fazendo da cerveja um delito de cinco anos de prisão e multa no valor de dois milhões de reais. (Dez mil dólares valiam 14 quilos de ouro). Agora sim, a coisa começa a fazer sentido. 

A economia inteira valia uns USD 100 bilhões e a receita federal americana era de USD 4 bilhões/ano na posse de Hoover. Qual foi o valor do álcool destilado ilegalmente de fermento Fleischmann's e açúcar de milho naqueles 14 anos da lei seca?

Pergunta relevante, não? Descubra a resposta em A Lei Seca e o Crash. 


Narrando as crises financeiras
+Blog em inglês...

terça-feira, 4 de junho de 2019

Zezinha do Apocalipse

O verdadeiro Zé do Apocalipse foi esse charmoso personagem do nosso querido Glauco, covardemente assassinado por zelote do misticismo obscurantista. O assassino ganhou o que merecia. 




A farsa versão é essa inocente útil eleita deputada federal pelos eleitores de Queens, Nova Iorque. Não havia candidato libertário como alternativa aos quatro partidos comunistas e fascistas.




Alexandria Ocasio Cortez derrotou o político democrata John Boerner(1) nas pré-eleições que escolheram o candidato daquele partido para deputado federal. Boerner defendia o direito individual da mulher ao controle da natalidade, mas ajudava os republicanos a bater, balear, confiscar e meter na prisão tantos quanto fossem chegados a folhas de planta. A derrota desses assassinos formadores de quadrilha é sempre um bom sinal, sobretudo quando infiltram outros partidos. 

Em seguida, já apelidada de AOC, a mocinha esmagou o republicano Anthony Pappas, um coroa que lecionava economia, hoje apelidado de Fê da Pê por ambos os partidos. O partido desse covarde elegeu à presidência George "Holy War" Bush, que pedia confisco de bens e pena de morte para dono de barraca de folhas de certas plantas. 

Esse mesmo partido republicano, raivoso desde a vitória libertária que liberou as mulheres das leis de Comstock de 1973, já apresentou oito ou nove Propostas de Emenda Constitucional para forçar mulher a reproduzir--como na ditadura comunista do romeno Ceausescu. Eleitores pró-pederastia na Irlanda votaram tal emenda que as mulheres daquele país lutaram 35 anos até finalmente abolir essa lei teratogenética. (Sim, essa emenda existiu e foi abolida em 25 de maio de 2018 por 64% de margem) Mesmo assim o partido republicano americano ainda nega que a mulher possui direitos individuais para tomar tais decisões, e nenhum republicano menciona essa eleição irlandesa do ano passado. (Ceausescu foi morto e rasgado como Mussolini; Pappas apenas corrido a batatadas pelos eleitores dos bairros de Queens e The Bronx).

Os democratas ainda aderem a fé cega exportada pelos comunistas na Guerra Fria. Acreditam que a defesa contra ditaduras hostis ou a geração da energia elétrica provocarão o Fim do Mundo da Mudança Climática de 2017, Ragnarok, o 2012 do calendário maya, a Revanche do Cristo de 1844. O fato de boa parte dessas apocalipses já terem perdido o bonde só serve para testar e fortalecer a ceguice desta fé inabalável.  O resultado é que a deputada AOC vota a favor de subsídios com dinheiro alheio para toda e qualquer energia inexistente, esmagantes impostos sobre o ar que respiramos, e a proibição absoluta de toda e qualquer usina que gera terawatts de energia confiável e econômica. 

É nisso que dá o governo subsidiar cleptocracia de políticos bandidos e besta-quadradas e excluir e estorvar os partidos libertários. Todas as melhorias dos últimos 47 anos se devem aos corajosos eleitores que usaram os seus votos libertários para derrubar os saqueadores das gerontocracias democrata e republicana e transmitir a sua preferência pela liberdade e pelos direitos individuais da pessoa humana e sua oposição à agressão. 


Aumento da porcentagem dos votos libertários

Quem procura visto pra examinar de perto esse resultado talvez queira trazer traduções oficiais para facilitar o processo. 
Entendedores das burocracias cleptocratas e xenófobas... 






(1) Depois de apanhar dessa moça de 28 anos, John Boerner deixou de querer bater, confiscar e prender e agora defende o direito da pessoa individual às plantas lúdicas. Hoje é executivo de uma empresa de maconha. Viu só a mudança que perder eleição pode provocar? Com o voto libertário, quem ganha é sempre você!

domingo, 2 de junho de 2019

Tara Smith, PhD e livre expressão

Tara Smith foi minha professora de ética na faculdade. A discussão é toda em inglês. 


Paralelamente, toda criança americana sabe que "sticks and stones may break my bones, but words can never hurt me." Outro aspecto relevante e útil da conceituação americana é a da tomada de ofensa. Ofensa é assim, quem procura, acha. Muito diferente disso é o respeito. 

O respeito é uma manifestação alheia, a qual a pessoa só consegue granjeando, fazendo jus, merecendo em contrapartida das virtudes que exerce. Ninguém nesse mundo lhe deve respeito, amor ou dinheiro. Realizar assaltos para cobrar respeito ou dinheiro alheio é uma maneira excelente de convidar as pessoas a comemorar a sua extinção. Esse é outro defeito inerente ao altruísmo.

Suponhamos que um pedreiro chinês grite alguma coisa lá do segundo andar da obra. Você, na calçada chinesa do outro lado do tapume nada entendeu. Foi advertência? Elogio? Ofensa? 

Otário é quem busca ofensa. Basta alguém sussurrar que "Fulano xingou a tua mãe!" É o convite para bobo se fazer de besta--e se fazer de morto no sentido literal. Todo fanático religioso sofre disso. Basta insinuar que alguém faltou com salamaleques a uma estátua ou efígie que o trouxa se mete a agredir com violência. 

O que surpreende é que os fanáticos ainda ficam surpresos que as pessoas não reagem à agressão injuriada com respeito ou admiração, e sim com cadeira elétrica, forca ou bombardeio. 

Moral da estória: entenda da ética, e se não entender o recado, procure um tradutor. 




Facilitando a compreensão; também em inglês.


segunda-feira, 27 de maio de 2019

Cleptocracia prende advogada na fronteira

Os agentes de lá também portam armas...

Pois é. O governo dominado por democratas socialistas e republicanos fascistas--todos subsidiados pela Lei do Nixon--agora prende algemada a advogada que se mexe no sentido de favorecer refugiados não-fiscalizados. 

Antes, ocorria sentenciamento de advogado a pena de reclusão de vários anos por causa de folhas de plantas. Isso já presenciei a olhos vistos. Após o colapso financeiro, este proibicionismo perdeu popularidade. Os Estados fazem fila para revogar a repressão das plantas, para poder arrumar emprego sem mijar em copinho da Santíssima Inquisição. 

Quem sabe se, agora que advogado da migra é arrastado ao "calabozo", a atitude não muda. Aliás, uma vez que essa mania de perseguir plantas é sobremaneira uma exportação gringa causadora de colapsos econômicos, talvez diminua a necessidade de fugir do seu país de origem com o crescente alastramento da nova política libertária. 

Quem não pode votar pode pelo menos ajudar com uma doação ao partido Libertário ou colaborar como voluntário nos EUA ou no Canadá

Clareza e qualidade orwellianas...
Visite o blog americano...



quarta-feira, 22 de maio de 2019

Patinete elétrico


Na vizinhança do centro de convenções de San Diego você não acha as badaladas lojas de maconha legalizada, mas sim patinetes elétricos. Meu colega Geraldo de Oliveira entende desses aplicativos de Lyft e patinete e me brindou uma corrida para experimentar. Imagine um patinete que corre à velocidade que você corria aos 14 anos, e é isso mesmo que acontece ao torcer o acelerador. O custo do aluguel é um salário mínimo da Califórnia por hora, mas é bom verificar se a bateria está carregada. 

Bicicletas elétricas também estão em todo canto. Você destrava com o aplicativo e deixa estacionado quando terminar de usar--ou a bateria descarregar. Um dos dizeres da profissão é que você sabe que é intérprete quando na geladeira tem mais bateria do que comida. Os equipamentos portáteis dos intérpretes comem tanta bateria que só com recarregáveis dá para prevenir estrago e enxugar a despesa. 

Duas semanas deu um forte pipoco no escritório. Quando fui ver, uma pilha alcalina que se misturou com as recarregáveis havia explodido no carregador. Estragou uma das conexões mas nada pegou fogo, pois pilha AA só desenvolve 1,5 volts. Nem pude abrir o carregador para limpar o interior. Os parafusos são especiais, projetados para que nenhum intérprete possa meter dedo em capacitor e levar choque. 

A pilha que estourou daria menos de 3 amperes x hora, algo na casa de 5 Watts com essa voltagem. Bateria de bicicleta ou patinete capaz de acelerar 80 quilos é bem diferente--umas 150 vezes mais possante. 

Uma mulher australiana recarregava sua bicicleta elétrica. Houve uma explosão e a casa inteira pegou fogo. Disso os econazistas não falam quando pedem leis que proíbem alguns tipos de energia para subsidiar outros tipos que sua seita prefere forçar nas pessoas a ferro e fogo. 

Se a minha casa queimar, o prejuízo é mais do que paguei em eletricidade e gasolina a vida inteira, sem falar no custo energético e financeiro de reconstruir.  Essas baterias de bicicleta duram uns dois anos. Sou a favor de bicicletas tradicionais e elétricas, mas prefiro que a escolha seja feita de livre e espontânea vontade, sobretudo por pessoas que entendem como medir e avaliar energia e potência. Político não. 





Agora com blog em inglês!

terça-feira, 14 de maio de 2019

O que é o Fascismo?

Leia no jornal original...

Esse jornal canadense não censurou os fatos. Aliás, canadense até entende o sentido correto da palavra liberal.  Prova disso é esse relato do jornal de Calgary. Só não entende o que é o fascismo quem não quer entender. Eis a tradução do relatado


Mussolini apresenta projeto de ensino intensivo de religião para jovens da Itália - ROMA, 30 de abril - O ensino intensivo de religião nas escolas italianas é contemplado em um novo projeto de lei apresentado ao parlamento fascista por Mussolini, como consequência do tratado recentemente concluído com o Vaticano.
A juventude italiana no futuro, nas palavras do Ministro da Educação, Signor Belluzzo, “será permeada, ou melhor, fortificada, pelos elevados conteúdos espirituais da religião católica romana e seu caráter sagrado de um culto com a tradição de dois mil anos. "
Isso deixa claro que a extensão da instrução religiosa nas escolas públicas, particularmente desejada pelo Vaticano, será levada a cabo ao pé da letra e o governo já circularizou professores pedindo que façam tudo o que estiver ao seu alcance para formar uma nova geração na Itália que será "cristão em pensamento, sentimento e ação".
Os professores são ordenados a colaborar com o clero para esse fim.
www.braziliantranslated.com


Este servo que vos fala nem quer comentar no referido senão para explicitar que escolas públicas é eufemismo totalitário para escolas do governo. Políticos escolhem os professores, arrancam verba do couro de quem trabalha e nomeiam quem determinará o currículo. Nos EUA não há melhor maneira de fazer cair a mascara dos coletivistas do que usar este termo objetivamente exato. Ambos os partidos subsidiados pela lei anti-libertária de Richard Nixon preferem falar das "escolas públicas". Surgem controvérsias quanto ao teor da lavagem cerebral a ser aplicada. Mas concordam que esse teor não será individualista, e nem um pouco objetivista.
Blog em inglês também... E precisando de documentos traduzidos por conhecido intérprete dos tribunais da imigração, basta procurar.

sábado, 11 de maio de 2019

Doutrinando as crianças


É raro ver traduções dos ensinamentos religiosos populares, mas de vez em quando aparece algo instrutivo. 

Aqui um garotinho palestino não fica devendo nada aos Hitlerjugend das décadas de 30 e 40 ao treinar na matança de judeus.

https://gellerreport.com/2019/04/palis-teach-muslim-kids-2kill.html/

Isso é educação religiosa dos velhos tempos. 

No meu tempo de pimpolho os mercantilistas influenciados pela Reppublica Sociale Italiana catequizavam as crianças com livrinhos. Meu favorito da escolinha no Rio mostrava silhuetas de comunistas metralhando silhuetas de padres e freiras como "a primeira coisa" que esses ímpios capetas faziam.  

Que maneira mais ladina de fazer com que as crianças encarem o comunismo altruísta como algo desejável!

My other blog...

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Republicanos Nacionalsocialistas no Texas



Democratas no Texas negavam o voto aos negros

Em 2 de maio de 1932 o Supremo americano decretou que o Partido Democrata no Texas não podia POR LEI excluir os negros das pré-eleições para escolha do elenco de candidatos para as eleições.  Hoje os dois partidos da cleptocracia entrincheirada no Texas e em Arkansas procuram excluir do boleto os candidatos do Partido Libertario, o único partido anti-agressão e anti-coletivista.

O Partido Libertário do Texas hoje se vê na situação da sabiá cujo ninho foi invadido por chupim. Algo parecido aconteceu em 1933. Com a ajuda do presidente republicano Herbert Hoover, que congelou "temporariamente" as dívidas das reparações de guerra e de outros empréstimos tomados pelos alemães, o partido Nacional Socialista, organizado por Hitler em 1920, logo obteve maioria na câmara de deputados da Alemanha. 

Os nazifascistas imediatamente trataram de abolir os demais partidos, da mesma forma que o filhote de chupim atira fora os ovos e filhotes da pássara hospedeira. Acontece que no Texas os republicanos adotaram a tática de arremedar os libertários exceto nos projetos de coletivismo racial e religioso que formaram o cerne da fé nazifascista. 



Republicanos infiltraram o partido libertário, sempre no sentido de anular e reprimir qualquer exercício de direitos individuais por parte das mulheres--que para eles seriam parideiras raciais, sem as quais aconteceria o "suicídio racial" previsto pelo republicano Theodore Roosevelt. Isso circulava antes mesmo de Monteiro Lobato publicar em 1926 "O Presidente Negro" como crônica futurista de eventual choque racial. 

As mulheres no início apoiavam o Partido Libertário. Afinal, foi a nossa proposta que impediu que a coalizão dos coletivistas republicanos e descendentes dos latifundiários escravagistas mantivessem as leis de Comstock em 1973. Essas leis, cuja aprovação coincidiu com pavoroso crash nas bolsas e depressão econômica em 1873, proibiam absolutamente até falar em qualquer tipo de controle de natalidade--até mesmo os que o Vaticano não quis proibir. Seus vestígios coercitivos caíram em 1973 com a transcrição da proposta libertária para a decisão do Supremo em Roe v. Wade. Essa sentença impediu a participação governamental na coação (para não dizer assassinato) de médicos ou mulheres pelos fanáticos. 

Imediatamente os republicanos contra-atacaram com propostas de emenda constitucional para forçar as mulheres a reproduzir a contragosto. A isso as mulheres retrucaram com a PEC dos direitos iguais. Até hoje os republicanos teimam para implantar seus correligionários no Supremo e não cansam de editar PECs para coagir o mulherio. Só agora as mulheres estão tirando o pó da Emenda dos Direitos Iguais que acabaria de vez com essa perseguição expurgatória. 

Aliás, Arkansas--o Saará das Bozarts--na tradução por Ruy Castro da crítica de HL Mencken--também tem sua klã na legislatura procurando linchar os eleitores que votam pelos candidatos libertários. Lá também aprovaram leis que--como a Constituínte de 1988--impossibilitam as campanhas do Partido Libertário.

Quem quiser reverter esse quadro pode ligar para estes políticos estaduais no Texas e reclamar: 


Rep. Joe Moody – 512-463-0728
Rep. Joe Deshotel – 512-463-0662
Rep. John Frullo – 512-463-0676
Rep. Craig Goldman – 512-463-0608
Rep. Oscar Longoria – 512-463-0645
Rep. Will Metcalf – 512-463-0726
Rep. Tom Oliverson – 512-463-0661
Rep. Eddie Rodriguez – 512-463-0674
Rep. Toni Rose – 512-463-0664

Rep. John Wray – 512-463-0516
Rep. Stephanie Klick – 512-463-0599
Rep. Philip Cortez – 512-463-0269
Rep. John H. Bucy, III – 512-463-0696
Rep. Dustin Burrows – 512-463-0542
Rep. Briscoe Cain (patrocinador da BOA lei. Agradeça a ele) – 512-463-0733
Rep. Art Fierro – 512-463-0596
Rep. Celia Israel – 512-463-0821
Rep. Mayes Middleton (autor do projeto de lei nocivo) – 512-463-0502
Rep. Valoree Swanson – 512-463-0572  




Com blog em inglês também...

terça-feira, 30 de abril de 2019

Crônica do Berlim dividido



ANOS SELVAGENS EM BERLIM OCIDENTAL por Max Drawe é uma espécie de crônica que relata o cotidiano da rapaziada que se aglomerava na fronteira do comunismo com o mercantilismo de economia mista.  Sistema de direitos individuais e liberdade incoacta do tipo que tentamos (des)organizar na Califórnia nos anos sessenta, nem pensar. Mas havia música, festivais improvisados até--antes da queda do Muro. Que surpresa!

Depois da repressão soviética na Tchecoslováquia comunista chegou algo do gênero nos EUA com a eleição do Nixon. Descobrir que ainda havia uma espécie de cultura jovem no meio da desintegração dessas ditaduras é até refrescante. Antes do colapso do altruísmo predador, os comunistas organizaram falsos festivais para atrair jovens. Só que aí já era tarde.

O livro é traduzido do alemão. 

A versão Kindle se encontra na Amazon brasileira. 

É também acessível pela Amazon original. 






sexta-feira, 26 de abril de 2019

Prazo para votar no estrangeiro

O português que quer votar, mesmo atolado na Itália ou Alemanha no dia das eleições,perdeu o prazo. Quietinho quietinho as cleptocracias arrumam prazos para excluir da votação os cidadãos mais internacionais e menos hipnotizados pelo oligopsônio local de televisão. 


Você se imbeciliza! A televisão nada mais é do que baboseira simplista!

Nos EUA fazem a mesma coisa. Meu voto pelo candidato do Partido Libertário voltou sem ser contado, pois eu teria que tê-lo colocado nas mãos dos mesários um mês antes de as urnas abrirem! Mas a surpresa não foi tão grande assim. Afinal, otário é a pessoa que espera da cleptocracia honestidade e jogo limpo. Cleptocrata não é tão bobo assim. Cleptocrata só pensa em cargo, dinheiro alheio e meganha armado, tanto como assaltante quanto guarda-costa. 

A propaganda eleitoral leva a crer que não existe proposta de governo, que tudo é opinião de candidato. Qual foi a última vez que você viu um candidato citar um parágrafo sequer do programa do seu partido? Nem do programa do concorrente eles não falam! Os parasitas que ocupam cargos e recebem salário do governo lêem com atenção esses programas, pois são as presas que o seu partido irá meter na jugular de cada coitado que trabalha para ganhar a vida. 

Na cleptocracia americana o seu voto pelo partido neocomunista será interpretado como endosso do imposto de renda do Karl Marx, da estatização monopolista de tudo quanto é setor, dos aumentos no preço da energia elétrica e da invasão violenta de outros países. Pouco importa de o eleitor otário imaginou que estaria votando pelos direitos da mulher de controlar sua própria gravidez, ou de impedir que seu filho fosse preso, assaltado, espancado e metido num calabouço primitivo por causa de folhas de planta--proibidos para encher as prisões e agradar os pederastas. 

O voto de quem achou melhor apostar no partido neofascista não será contado como voto contra imposto ou ditadura. Este voto será interpretado por estes como aval incondicional para sobretaxas alfandegárias para financiar não apenas exércitos, bombas e perseguição de estrangeiros, como também confiscos e intervenções brancas que provocam o colapso geral da economia para agradar os pastores, marechais, acionistas e generalíssimos. 

Tal voto também será contado como a favor de subsídios a fanáticos obscurantistas e suas ditaduras, sem falar na transformação de cidadãos livres em presidiários (se sobreviverem o apresamento pelos carcereiros). Direitos? Há! Nunca a "esquerda" comuna ou a "direita" fascista da mesma cleptocracia alguma vez sacrificaram o poder coercitivo no altar dos direitos individuais da pessoa humana. A estratégia é conhecida como bait-and-switch. Você alguma vez viu isso traduzido?



Na Europa comuno-fascista a cleptocracia aumenta o número de tentáculos. É raro ver ali uma "eleição" com menos de meia-duzia de partidos fascistas e número semelhante de grupos comunistas--sempre travestidos de outra coisa menos manjada, porém sempre coletivista, altruísta e predadora. No Brasil a hiperinflação partidária esbanja o erário em subsídios dados a 16 partidos neocomunistas e igual número de facções neofascistas. Dá no mesmo.

Só o voto libertário diz não à extorsão, à agressão, à destruição do valor da moeda e do alastramento da cleptocracia da coação--seja ela comunística ou de matizes mais nacionalsocialistas. Você ainda acha que os saqueadores das duas versões do socialismo comuno-fascista deixariam você se manifestar a favor do programa do partido libertário? 





Com blog estrangeiro também!


segunda-feira, 22 de abril de 2019

Assaltantes perdem no Supremo


A Suprema Corte americana deu ganho de causa aos assaltados.

A Suprema Corte dos EUA em parecer unânime decidiu em 20 de fevereiro que  cobranças exorbitantes minam outras liberdades constitucionais do cidadão. “Multas excessivas podem ser usadas, por exemplo, para retaliar contra inimigos políticos ou reprimir suas falas. Mesmo sem motivação política, multas podem ser empregadas em uma medida que não está de acordo com os objetivos penais de retribuição e prevenção”, escreveram os juízes em voto relatado pela juíza Ruth Bader Ginsberg na causa Timbs v. Indiana.  


A advogada Gisnberg, novinha, derrubou discriminações contra contribuintes

É a segunda vez que uma juíza do Supremo age em defesa do direito individual de possuir pertences e bens--contra a extorsão organizada pela superstição travestida de ciência no intuito de coagir e assaltar. O pretexto em ambas as causas foi o mesmo: folhas ou flores de plantas que competiriam com as indústrias cervejeira, de destilação ou farmacêutica. Esses vestígios das leis de Comstock e do proibicionismo da Lei Seca constitucional--a que assola a economia americana desde 1929, mesmo revogada a emenda principal--estão minguando graças à concorrência do Partido Libertário, organizado em 1971.  

A outra vez foi no colapso econômico de 1987. Os conservadores obscurantistas do Partido Republicano repararam que as leis por eles comprados para proibir folhas de plantas e derivados vinham sendo exploradas para financiar guerrilhas comunistas. Usando a Primeira dama Nancy como boi de piranha, e fingindo de tratar de moderação ou temperança, baixaram leis mais absurdas ainda do que as que criaram ao criar o mercado negro com seus preços inflacionários. Resultou recessão, hiperinflação e a grande depressão econômica da época de Sarney e Collor. O único resultado positivo foi o colapso dos governos comunistas na Europa.

"Todo" funcionário federal americano, leia-se, a arraia-miúda, foi obrigado a mijar num copinho para averiguar eventual Possessão Demônica pelas folhas de Belzebú. E ainda baixaram leis de confisco de bens sem a mínima prova de crime, inclusive de contas de corretagem, bancárias e até bancos inteiros, como no caso da invasão do Panamá. Uma dessas medidas que aceleradoras do colapso financeiro de outubro de 1987 foi a proibição, em 1988, dos bônus municipais com cupons resgatáveis ao portador. Desde 1895, quando o IR do manifesto comunista foi derrubado pelo Supremo americano para proteger os bônus e debêntures contra cobranças (e reverter o colapso da economia que se espraiava).

Apenas a juíza Sandra Day O'Connor divergiu da opinião dos proibicionistas, decisão que aumentou em até 35% os juros no financiamentos desses títulos que financiam projetos municipais. Esta mesma juíza se mostrou mais libertária que seus colegas na defesa dos direitos individuais das mulheres grávidas que as correntes obscurantistas procuram minar desde 1973. 

Ginsberg e O'Connor são a prova objetiva de que o Supremo deve incluir maior proporção de mulheres, sobretudo enquanto existir a 19ª Emenda garantindo-lhes o voto. 




Com blog libertário em inglês.