quinta-feira, 29 de março de 2018

O altruísmo e a Esquerdireita



George Orwell sabia fazer declarações fáceis de se entender. 


English writers who consider Communism and Fascism to be the same thing invariably hold that both are monstrous evils which must be fought to the death: on the other hand, any Englishman who believes Communism and Fascism to be opposites will feel that he ought to side with one or the other.

Os escritores ingleses que julgam que o comunismo e o fascismo são a mesma coisa sempre concluem que os dois são monstruosidades que devem ser combatidos até à morte. Por outro lado, o inglês que achar que o comunismo e o fascismo são opostos, se sentirá obrigado a se aliar a um ou o outro. 
No ensaio (James Burnham and the Managerial Revolution), Orwell criticava os americanos da época--25 anos antes da formação do partido libertário--por considerar as duas variantes do socialismo como iguais, e não levar nenhum dos dois a sério. Eis um exemplo de humor americano que ilustra bem a atitude: 

O garoto não gosta da Carta de Direitos dos EUA

E é bem assim. Em 1892 os mineradores que lucravam com a cunhagem gratuita da prata pela Casa da Moeda gastaram uma fortuna apoiando o Partido do Povo para preservar esse subsídio. Os populistas, que também apoiavam o imposto de renda constante do Manifesto Comunista traduzido para inglês 42 anos antes, ganhou 9% do voto popular e um bom punhado de votos eleitorais. 

Naquela época, a corrente saqueadora nos EUA puxava mais para o lado de Friedrich Engels, misturando obscurantismo místico com o altruísmo comunista. Aprovaram o imposto, mas ruiu a economia e o Supremo matou esse parasitismo como anticonstitucional. Os comunistas de Altrúria persistiram até transformar a Constituição em instrumento para coagir e assaltar o próximo. Os russos se inspiraram com isso, só que na versão deles dispensaram com as pieguices do misticismo organizado. Sorte nossa! Com isso a corrente saqueadora se dividiu em duas facções que para nós são idênticas e ruins, mas que pelo menos se esfaqueiam mutuamente. Ufa!

Agora que temos o nosso partido libertário, cada um dos nossos votos liberais vale de 6 a 6.000 votos desperdiçados nas duas alas da cleptocracia saqueadora. O candidato que tem o programa menos libertário perde para o outro saqueador, e nós nos livramos de muitas leis nocivas esta forma. 

É o mesmo mecanismo com o qual fanáticos saqueadores descaracterizaram a nossa Constituição. Eles com 1,4 a 3% do voto em média mudaram as leis sem eleger um candidato sequer. Triste para nós é ver a situação do brasileiro: forçado (por uma lei australiana) a votar por 33 partidos nacionalsocialistas sem nenhuma oportunidade de se declarar votando contra essa agressão e a favor da liberdade. 

Quem é naturalizado nos EUA ou Canadá pode votar libertário e melhorar a situação de todos os brasileiros. E quem tem green card pode doar uns trocados para esse partido eficiente. Esse simples ato melhora a situação de todos na América do Norte e do Sul, garanto. 

Precisando de traduções para pesquisar outras possibilidades, pense n'eu.


terça-feira, 27 de março de 2018

Direitos Constitucionais e Armas

A Alemanha sempre foi um país altruísta, 98% cristão onde os católicos e protestantes, no século vinte, quase abandonaram a velha tradição de matarem uns aos outros. 

Afinal, em 1914 era muito mais negócio matar estrangeiro e judeu. Essa empreitada não rendeu. Mas a fé dá pouca ligança para os grosseiros fatos da realidade. Graças às dívidas perdoadas no Moratório do presidente americano de ascendência alemã, Herbert Hoover--defensor da lei seca que usou o IR para destruir a economia dos EUA--o governo altruísta e socialista da Alemanha em 1938 fazia o que bem entendia. Lá não existiam esses inconvenientes direitos constitucionais como a Segunda Emenda. Veja a reportagem no jornal: 

Agradeço a www.realclimatescience.com

LA GRANDE, OREGON, SÁBADO, 12 DE NOVEMBRO DE 1938
Nova Lei de Armas de Fogo
  A fase oficial da campanha anti-judáica da Alemanha nazista teve abertura hoje com uma lei proibindo os judeus de possuírem armas de fogo ou outras armas. 

Esta lei foi a primeira de uma série planejada para efetuar uma "solução final" do problema judeu.


Tradução gratuita de tradutoramericano.com.br
Visite também o Libertariantranslator.com


sexta-feira, 23 de março de 2018

Cláusulas-armadilha nos EUA

Janus, o trabalhador que quer liberdade.

Agora que os sindicatos americanos talvez não podem mais assaltar o trabalhador individualista que nada quer com coletivismo ou compulsão, contrataram advogados para lavrar cláusulas-armadilha. 

Conhecidas como "trap language" pelos americanos, são cláusulas para pegar quem não lê antes de assinar. Eis aqui uma amostra de ficha de adesão com a armadilha pronta para fechar no tornozelo do incauto. 

Algumas adesões armadilha requerem que o trabalhador cancele ou revogue a adesão pelo correio-monopólio 75 dias antes do vencimento para evitar que o sindicato agarre uma parcela do seu salário durante o resto do ano. No caso Janus, um trabalhador que não é membro, nem quer ser, reclamou para o Supremo que ser obrigado assim fere a proteção que a Primeira Emenda garante aos que estão nos EUA. Reza a Emenda da Carda de Direitos: 
O Congresso não legislará no sentido de estabelecer uma religião, ou proibindo o livre exercício dos cultos; ou cerceando a liberdade de palavra, ou de imprensa, ou o direito do povo de se reunir pacificamente, e de dirigir ao Governo petições para a reparação de seus agravos. 
A palavra "livre" significa incoacto. Não falta fanático que quer iniciar a agressão para tomar das outras pessoas o que elas valorizam. Sobem os impostos e os sindicalistas ainda querem tirar dízimo do salário do funcionário do governo--o que equivale a outro imposto. Os sindicalistas predadores em cargos do governo (que já monopoliza o poder coercitivo) procuram tapar o esperado rombo apelando para a fraude dos contratos injustos. Os partidos saqueadores do Século 19 só nos trouxeram guerras e impostos.

O partido libertário apoia esse trabalhador--não por ser uma minoria como daca indivíduo é--mas pelo simples fato de apoiar a todos que não querem ser coagidos, enganados ou tapeados. O estrangeiro que é impedido pelos coletivistas de exercer a sua profissão regular pode doar algo ao partido ou candidato libertário na sua comarca. Quem tem cidadania pode votar libertário para aumentar a liberdade de todos. 

E precisando de tradutor, lembre-se do tradutor americano, o seu libertarian translator. 


domingo, 18 de março de 2018

EUA, Proibição e as Filipinas


Uma sátira do seu romance de 1934...


--Nós não contamos mais, disse o senador Grassley (republicano de Iowa), portanto o melhor que teríamos a fazer é arrumar as malas e deixar que os californianos se virem sozinhos.

--Não concordo com isso de jeito nenhum-- respondeu a senadora Feinstein (democrata da Califórnia).

--Podíamos endireitar tudo isso em um mês se quiséssemos. Só precisamos ter um pouco de peito. Veja o caso de Amritsar. Repare como baixaram a crista depois de tudo. Dyer sabia dar neles. Pobre Dyer! Isso sim, foi uma grossa sujeira. Aqueles poltrões da ONU um dia ainda vão pagar por isso!

Um suspiro correu pela sala, semelhante ao suspiro emitido pelos católicos reunidos ao se mencionar o nome da Maria Tudor, a Sangrenta. Até o sr. Trump, que detestava as carnificinas e a lei marcial, meneou a cabeça ao ouvir o nome de Dyer


Veja a entrevista com esse mandante das esquadrões da morte...

Ah, pobre homem. Sacrificado aos liberais da ONU. Bem, talvez irão reparar no seu erro quando for tarde demais. Mas que tal esse Duterte? Quem sabe ele sirva para substituir o Mr. Magoo? 

O Josef Goebbels da imigração americana

** Sem querer ofender o Eric Arthur Blair, filho do Agente sub-delegado do Ópio, segunda classe, e autor do romance Dias na Birmânia, traduzido por Sérgio Flacksman. Hoje faz 50 anos que o Tenente Calley massacrou uma vila de mulheres e crianças vietnamitas em nome do quaker republicano Richard Nixon. 




Necessita de traduções para visto nos países de língua inglesa? 

sexta-feira, 16 de março de 2018

Trump versus os Republicanos?


Os republicanos ganharam a eleição por dois motivos. Um foi a promessa suicida do partido democrático de interferir, estorvar, dificultar e até multar a geração de energia elétrica. A outra foi por que os eleitores odeiam todos os políticos republicanos. São caretas, supersticiosos e chatos

Eu, por exemplo, se visse um deputado republicano ou democrata atropelado por um bonde, seria impedido de ajudá-o pelo simples fato de estar incapacitado por gargalhadas. Ross Perot aproveitou disso para derrubar o Bush Pai (o da Guerra Santa). Mas esse Donald metido a Tio Patinhas não é político e sim especulador de imóveis. Foi contratado pelos políticos--uns suspeitam até por chantagem--para defender el programa político Republicano de mais de 50 páginas!

Naquelas 50 páginas prometem colocar cerca na fronteira, mandar peão embora, prender hippies e matar negros por causa de folhas verdes, interferir no comércio, bombardear muçulmanos, invadir países no outro lado do mundo e fazer deles colônias exportadoras de dormideira, prender médicos que atendem mulheres que não queriam se engravidar--enfim, muita besteira perigosa.

Tatsuya Ishida no Sinfest.net
Para debelar essa bobagem, nada melhor do que encarregar Os Trapalhões -- ou Mr Magoo Sessions -- para cobrar cumprimento dessas leis idiotas. Observe que Trump não escolheu nenhum palhaço para interferir com a energia elétrica. A energia confiável agrada a grande maioria dos eleitores. O Sessions só é famoso por causa do proibicionismo xiíta e a xenofobia coletivista nacionalsocialista que invadiram o partido Republicano na década de 1920.
Coletivismo místico perde popularidade nos EUA...

Mas essas correntes do século passado estão minguando, seus adeptos idosos estão morrendo e o Partido Libertário é o único partido americano que está crescendo--e aumentando a sua fatia do voto nos países semilivres.

Procura-se matemático para mínimos quadrados na curva Fisher-Pry
O partido Libertário defende um programa de poucas palavras que vc lê em português em 20 minutos. Vote libertário se você não quer ver seu filho deportado por causa de folhas verdes. Se você é portador de Green Card, doe algum dinheirinho para o candidato libertário da sua comarca. Nós somos contra o voto forçado, os impostos de renda, o poder que corrompe, e tudo que depende da agressão.

E precisando de tradução juramentada, procure pelo TradutorAmericano.com e Falascreve.com, como no romance do George Orwell.

terça-feira, 13 de março de 2018

Lembram da Fanta?


Fanta saiu de produção...

Fanta era muito popular nos países que reuniam a fé cristã e o socialismo nacionalista. Havia, porém, quem não gostava nada disso. 

Winston Churchill, por exemplo, reclamava em 1940 dos países neutros. “Cada um acha que se alimentar bem o crocodilo, será o último a ser comido.”  

Faz 80 anos a Áustria, jubilante, foi anexada pela Alemanha nacionalsocialista. O atual líder austríaco, Van der Bellen responde que o importante seria "Não cair nessa."

Seria mais convincente se esse atual líder não fosse da corrente econazista do socialismo anti-energia (logo, pró-escravidão). Afinal, esquerda e direita no sistema europeu são todos eles socialistas. E no Brasil proíbem partido libertário. Querem que o estado político controle a economia. A diferença é que nem todos são frequentadores de igrejas
Pensamento nas duas dimensões da liberdade

A possibilidade de o ser humano viver sem constante ameaça de confiscos e violência não faz parte da ideologia de nenhum partido popular na região do antigo Terceiro Reich. A esfera socialista, com ou sem misticismo, exclui a liberdade e os direitos da pessoa humana. O que eles chamam de direitos são privilégios coletivizados comprados com os votos de pessoas sem noção--sempre às custas alheias.

Precisa de traduções para procurar os direitos individuais? Já sabe inglês?

quinta-feira, 8 de março de 2018

Quebec v. Brasil


Não é jogo de futebol não, gente. Estamos analisando porque nos EUA -- que tanto interferem, intrigam e bedelham na política do Brasil -- ninguém se dá o trabalho de oferecer material traduzido em português. 

Os motivo evidentes são dois.  Quando a Microsoft estava lançando o DOS 3.3, com as páginas de código internacionais para digitar com acentuação gráfica em diversos idiomas, português significava alfacinha lisboeta. Eu vim morar no Brasil sem saber uma palavra de português porque a empresa disse pro meu pai: "Phillips, você sabe espanhol. Vamos mandar você pro Brasil!"

O segundo, e importante motivo, é econômico. Os EUA continentais possuem duas fronteiras, a mexicana e a canadense. Fanáticos irlandenses nos EUA invadiram o Canadá em 1866. Apanharam feio em várias investidas até largarem mão disso em 1871. Qualquer um vê que no Wikipédia nenhum brasileiro se deu ao trabalho de traduzir esse drama. Portanto, a estória é contada em francês

Quando os ingleses foram deportados da China em 1837, por traficar em entorpecentes, os Americanos entraram numa depressão econômica. Isso ocorreu porque para atacar um país muito maior do outro lado do mundo, os ingleses liquidaram todo o seu investimento nos EUA para assim financiar a Guerra do Ópio. O objeto? Forçar a China a permitir os ingleses a ganhar com seu monopólio da exportação do ópio da colônia indiana para a China.


O azul é o tamanho relativo da Inglaterra comparada com a China....
O dinheiro que mais circulava na China em 1837 era o dólar mexicano. Os dois países eram parceiros comerciais, logo, quando os ingleses finalmente dispararam seus canhões contra a China em 1839, os americanos divisaram a oportunidade de saquear a Califórnia, com suas jazidas de ouro. Violando a neutralidade, a marinha americana ajudou os ingleses e franceses em outras agressões contra a China, e em abril de 1846 os americanos atacaram o México, agora enfraquecido, para ganhar os estados de New Mexico, Arizona e Califórnia. 

Voltando à vaca fria de porque o México é importante a ponto de americano traduzir site em espanhol, mas não português. Basta olhar o Canadá. A população do Quebec é pequena, mas o seu PIB per capita dá U$36 mil. Logo, o PIB só daquela província equivale à metade do PIB do Brasil inteirinho--e Quebec faz fronteira com os EUA. Brasil fica no outro hemisfério e exporta muito para os países europeus. 

Se os americanos nem se dão ao trabalho de traduzir nada para francês--coisa que TODAS as províncias canadenses fazem--imagine que vão perder tempo com português! E tem mais. Portugal se aliou à Espanha contra os EUA em 1898. Quem fala espanhol nos EUA somos nós, os puertorriqueños. Na isla linda não podemos sequer votar nas eleições federais dos EUA, e não ajuda muito o fato de a nossa representante de maior influência no congresso americano ter sido a Lolita Lebrón. (Essa, sim, aparece traduzida em português).

Se os brasileiros querem influenciar na leis da migra americana, o certo seria o naturalizado votar pelos candidatos do partido Libertário. E quem tem o visto de permanência devia doar um pouco de dinheiro para a campanha de algum candidato libertário. E podem sugerir o mesmo aos amigos. É lícito sim, pia só...


Leia no original...

Isso, eu garanto, mudará as leis dos EUA de duas formas.  Uma é acabar com a exportação de subsídios aos caudilhos da repressão (interferência gringa nas eleições alheias, que provoca êxodos). A outra é desarticular o apoio às mesmas correntes nos EUA. Veja a evolução do único partido americano que está crescendo: 


Procuro matemático para encaixe mínimos quadrados com o modelo Fisher-Pry

O partido libertário, fundado em 1971, não odeia imigrantes. Ajudou o Supremo americano a revogar leis cruéis que proibiam o controle da natalidade em 1973.  Hoje o nosso programa impede que a polícia arruine as carreiras dos jovens por causa de folhas de plantas! Portugal tem um partido libertário e lá as coisas melhoraram muito.   

E precisando de traduções para emigrar, procure o tradutoramericano e tradutorabrasileira


sábado, 3 de março de 2018

Falsificação do aquecimento global


Esses 9,7 pés são 3 metros de distância

Os gráficos de registros de temperatura não mostram aquecimento global--pelo menos não sem "correções" com matemática tendenciosa que esfriam o passado e aquecem o presente. Mas quem procura, acha alguns termômetros que, pra inglês ver, registram aumentos na temperatura. 

Alguns termômetros que no tempo do vovô eram em campos bucólicos onde as vaquinhas pastavam contentes, hoje se acham sobre concreto, asfalto, ou nos exaustores quentes de ar-condicionados sobreaquecidos desde 1987 pela proibição do freon. Lembra do freon?

Em 1987, durante aquele colapso econômico -- com fanáticos conservadores proibindo folhas de planta e fanáticos econazistas proibindo energia, combustível e ar condicionado -- a tese era que o hemisfério Sul gerava tanto freon que os pinguins na Antártica estavam prestes a virar galeto no espeto. Só que para cada pessoa no Hemisfério Sul do planeta existem nove no Hemisfério Norte. Ou seja, onde há dois uruguaios ou catarinenses esperando ônibus no ponto, o equivalente na Europa ou EUA é 18 pessoas esperando para lotar um ônibus. Mas cadê buraco no ozônio no Polo Norte?

Repare também que as duas hostes contrárias não oferecem solução que não envolve o que Adam Smith chamou de "a violência da lei".  Todo conservador quer coagir -- jovens, mulheres, estrangeiros, outros misticismos -- a constante é a força de homens armados. E a outra corrente saqueadora, os que -- para não lembrar o nacionalsocialismo ou comunismo -- vendem esse mesmo peixe embrulhado como "esquerda", também oferecem apenas a coação, multas, prisão, impostos, ditaduras, fome e escassez, só que com menos igreja.

Apenas o partido libertário não odeia a energia, gosta de ciência, defende os direitos individuais (masculinos e femininos) e procura apenas o seu voto para impressionar os dinossauros da cleptocracia a mudarem suas leis violentas e desonestas. Os partidos Democrata e Republicano procuram deportar estrangeiros por causa de multas de trânsito ou até folhas de plantas!

Veja no livro original...

Quem não pode votar mas tem green card pode contribuir alguns dólares. Procure na internet e você não acha isso em português, mas é verdade. Quem tem green card pode contribuir uns trocados para o partido que não odeia imigrantes nem procura encher o país de sequestradores de aviões. Os cleptocratas se borram de medo de perder cargo por causa do Partido Libertário.  Eu calculo que U$10 dados a uma campanha de candidato libertário valem pelo menos U$60, normalmente U$210 e em raras ocasiões (como ocorreu em 1972) uns U$5.000 em termos de seu poder de compra de leis que defendem a liberdade.

Então, quem votou com os pés ainda possui, nos EUA, o direito de votar pela liberdade mundial com o suor do rosto. Aproveite!

E precisando de tradutor oficial, procure tradutoramericano ou libertariantranslator.




quinta-feira, 1 de março de 2018

Proibicionismo American Made

Pois é... os televangelistas gringos estão exportando o proibicionismo armado com força letal para a América Latina desde a visita do fanático Herbert Hoover em 1928. Olha onde chegamos agora...

Esse link só funciona firulando a censura...

Nem venha me culpar. Eu só voto pelo partido libertário.

Visite www.oiltranslator.com