domingo, 30 de dezembro de 2018

Fanáticos proibicionistas americanos

Nos EUA um homem recentemente foi agarrado, arrastado para um hospital onde os médicos foram intimados a desmaiá-lo com entorpecentes passar-lhe um tubo no reto--isso como parte da Guerra aos Direitos da Pessoa Humana. Isso ocorreu agora em Syracuse, New York. Esse tipo de estupro afeta o turismo e resulta em enormes multas e danos morais pagos às vítimas. Veja...


Em tela um caso anterior, que também não revelou flagrante e repercutiu mal para os meganhas invasores. É nisso que dá perder a chance de votar pelo partido libertário e--mediante os votos de sangria--abolir essas leis nocivas. 

E para que servem essas leis? Na jurisprudência americana a função do governo antes era de defender os direitos da pessoa humana contra a agressão. A partir de 1913, época da militância saqueadora a favor da Lei Seca e do IR copiado do manifesto comunista, tudo mudou. A mão armada da lei passou a servir para matar alguns e aterrorizar os sobreviventes.

As leis aprovadas pela cleptocracia saqueadora servem, sim, de pretexto para matar alguns. Mas para que matar as pessoas, sobretudo os inocentes que não ferem os direitos alheios? São justamente esses que se imaginam dono do nariz. Quanto mais a dura lex, summa lex suntuária mata desses cidadãos, mais os sobreviventes obedecem sem questionar os editos, mandados, decretos, códigos, arrestos, atos, impostos e as leis, instruções normativas, determinações, ordenanças, multas e outras sentenças que proíbem folhas de planta ou pensamentos desaprovados. 

Havia povo manso, engaiolado assim nos EUA, mas o Partido Liberal em 1931 cobrou abolição da lei seca e criticou o comunismo. No ano seguinte os democratas copiaram essa parte do programa liberal e os republicanos foram enxotados do poder por 25 anos. A Organização Feminina para a Reforma da Proibição Nacional, que contava com a ajuda militante da ex-republicana Pauline Sabin, facilitou a revogação da Emenda da Lei Seca. 

Os primeiros republicanos a voltar ao poder depois de Herbert Hoover ter presidido milhares de assassinatos com esquadrões volantes--e a destruição da economia--foram Eisenhower e seu vice, Richard Nixon. Nixon, outro soi disant Quaker como o Herbert Hoover, resuscitou com vontade essa tradição de matar e mandar matar. 

Como em 1932, o partido de Nixon amargou a derrota das leis que forçavam as mulheres a reproduzir a contragosto pela obra do pequeno Partido Libertário. O programa deste partido formulou a sentença do Supremo que derrubou as leis que coagiam apenas médicos e mulheres. (A façanha se repetiu na Irlanda uns meses atrás, quando a Emenda antifeminina foi revogada).

Se essa explicação da proctologia ilícita praticada pelos mandatários do nacionalsocialismo proibicionista esclareceu a origem dessas atitudes pitorescas, pegue conosco um orçamento para a sua próxima tradução jurídica ou judicial. 


Intérprete, escritor




Para traduções jurídicas e judiciais, Speakwrite
Visite meu blog em inglês.


Nenhum comentário:

Postar um comentário